Startup Visa começa a 1 de janeiro

Costa anunciou a intenção na India, o Orçamento do Estado para 2018 trouxe esse compromisso e a Web Summit foi escolhida para o anúncio: o programa Startup Visa vai iniciar-se a 1 de janeiro de 2018.

O Governo vai arrancar com o programa Startup Visa a 1 de janeiro de 2018, um ano depois de o primeiro-ministro ter anunciado essa intenção há um ano numa visita oficial à Índia. O regime especial tem como alvo estudantes, empreendedores ou cientistas que pretendam iniciar ou desenvolver projetos em Portugal, mas existem vários critérios. Esta terça-feira o ministro da Economia irá apresentar o programa no Web Summit.

O Startup Visa terá como principal missão fornecer a empresas ou incubadoras o estatuto de certificação de forma a acolherem cidadãos de estado terceiros. Para se candidatarem, os empreendedores terão de se inscrever numa plataforma online que deverá ficar disponível no próximo ano. O IAPMEI é a entidade responsável pela fiscalização do processo.

“A partir de 1 de janeiro de 2018, jovens empreendedores de todo o mundo que queiram abrir uma empresa inovadora vão ter acesso rápido a um visto de residência que lhes permite criar ou mover a Startup para Portugal“, garante o gabinete de Caldeira Cabral em comunicado. Os cidadãos aceites poderão integrar a Startup Portugal — a rede nacional de incubadoras — e beneficiar dos seus incentivos ou apoios.

Quem queira obter uma autorização de residência e trabalho deverá ter em conta as seguintes exigências, segundo o Ministério da Economia:

  • Querem desenvolver atividades empresariais de produção de bens e serviços inovadores;
  • Vão abrir ou deslocalizar empresas e/ou projetos centrados em tecnologia e em conhecimento, com perspetiva de desenvolvimento de produtos inovadores;
  • Gozam de potencial para criação de emprego qualificado;
  • Detêm potencial para atingir, 3 anos após o período de incubação um valor de 325.000€, ou um volume de negócios superior a 500.000 €/ano.
  • A avaliação do potencial económico e inovador é efetuada com base em critérios, tendo por base o grau de inovação, a escalabilidade do negócio e potencial de mercado, a capacidade da equipa de gestão, o potencial de criação de emprego qualificado em Portugal e a relevância do requerente na equipa.

O Startup Visa foi falado, pela primeira vez, na cimeira Índia x Portugal, que contou com participantes do ecossistema empreendedor dos dois países

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Startup Visa começa a 1 de janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião