Hélder Rosalino: A bitcoin “não é uma moeda”

O Banco e Portugal olha com preocupação e cautela para as criptomoedas, como a bitcoin, que atingiu um novo recorde. A bitcoin "não é uma moeda", alerta Hélder Rosalino ao ECO.

Há um ano, a bitcoin valia 706,90 dólares. Hoje, a moeda está a cotar nos 7.189,99 dólares, próximo do máximo histórico de 7.592,22 dólares, acumulando uma valorização de 917%. Só desde o início do ano, o valor da moeda virtual disparou 657%, o que avalia este ativo em perto de 120 mil milhões de dólares. Afinal, o que é esta ‘criptomoeda’ para o Banco de Portugal? “Para já, é preciso desmistificar uma ideia, é que a criptomoeda não é uma moeda”, afirma Hélder Rosalino, administrador do banco central, ao ECO.

“Uma moeda, para ser classificada como tal, precisa de ter duas características fundamentais: A primeira é ter associada a si a ideia de reserva de valor, depois, sobre aquela moeda tem de haver um direito de crédito”, enfatiza Hélder Rosalino. Ou seja, “Quando um banco central cria uma moeda, cria um passivo no seu balanço que tem de ser pago. Se, um dia, todos fossem entregar essa moeda nos seus bancos e, depois, no banco central, ela teria de ser paga, e o passivo seria eliminado”.

Para o administrador com o pelouro das Fintech no Banco de Portugal, a semelhança com as criptomoedas, como a bitcoin, só tem mesmo a dimensão tecnológica. “Uma criptomoeda não tem o registo do banco central, não é regulada pelo banco central e não gera um direito de crédito”, insiste.

Uma criptomoeda não é, por isso, uma moeda em sentido estrito, mas, reconhece Hélder Rosalino, “é uma convenção, uma solução informática suportada numa base tecnológica potentíssima, uma rede fantástica, o blockchain, que permite fazer pagamentos sem intermediação. Permite que eu, através de uma moeda virtual, faça transações peer to peer, sem intermediação, fora do sistema financeiro. Mas não é uma moeda, por isso olhamos para as criptomoedas com alguma preocupação e alguma cautela, porque, reconhecendo a inovação disruptiva que lhes estão associadas, tem vários riscos”. Quais? “Sobretudo a dimensão especulativa”.

Na verdade, é o que dizem os analistas: A bitcoin, a mais conhecida das moedas virtuais, viu o seu valor aumentar em dez vezes em apenas um ano. Mas este crescimento pode, em breve, ser travado por uma nova barreira: os 8.000 dólares. Analistas alertam que este deve ser o “último grande número” desta criptomoeda. “Não há uma medição oficial para uma bolha, mas a velocidade com que se ascende podia ser uma dessas medições”, comentou Stephen Gandel, analista da Bloomberg.

O risco especulativo das criptomoedas, afirma Hélder Rosalino, decorre de um facto: “a ideia de criação de criptomoedas assenta no conceito de mineração, ao conceito do mineiro, que está à procura de moedas virtuais, por isso, a capacidade de criação de moeda é limitada, aliás, o seu criador estabeleceu um limite máximo de 21 mil milhões de moedas”. Como a solução das moedas virtudes a ser cada vez mais procurada, e com uma produção limitada, o valor destas moedas está a disparar. E isto leva ao segundo risco identificado por Hélder Rosalino, e que preocupa os bancos centrais: “a volatilidade das moedas virtuais, súbitas e inesperadas flutuações destas moedas, porque temos um dever de formação e proteção dos consumidores”.

Finalmente, há o risco de contrapartes, “porque se não sabe quem está do outro lado, além do risco de aceitação e de curso legal, isto é, de ser possível não existir a possibilidade de troca da moeda virtual por uma moeda com aceitação pelos reguladores e bancos centrais”, avisa o administrador.

Dito isto, Hélder Rosalino afirma que as criptomoedas estão neste momento mais sob a atenção do domínio penal, por causa do risco de fraude e branqueamento de capitais, enquanto os bancos centrais estão ainda sobretudo na fase do estudo do que na atuação. “É uma realidade nova, que está a ser avaliada”.

 

 

 

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hélder Rosalino: A bitcoin “não é uma moeda”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião