Depois do Pokémon Go, vem aí o Harry Potter: Wizards Unite

Dos livros para o cinema e agora para os smartphones: as aventuras do feiticeiro mais conhecido do mundo vão estar em realidade aumentada graças à Niantic, a mesma empresa por detrás do Pokémon Go.

Em todo o mundo, o verão de 2016 ficou marcado pela chegada do fenómeno Pokémon Go. Mais de um ano depois, a Niantic quer repetir o sucesso, desta vez com o universo criado pela escritora britânica J.K. Rowling. O jogo Harry Potter: Wizards Unite está a ser desenvolvido pela empresa em parceria com a Warner Bros, segundo o anúncio feito pela empresa.

Os feitiços de Harry Potter vão chegar ao mundo dos muggles — o termo usado para os comuns mortais que não têm nenhuma habilidade de magia. O anúncio foi feito pela Niantic: “Estamos incrivelmente entusiasmados em anunciar este próximo passo do entretenimento com a realidade aumentada nos telemóveis”, lê-se no post do blog oficial da empresa que está a trabalhar nesta nova aplicação, ainda que não revele qual será a data de lançamento.

Os mais entusiasmados com o anúncio podem já inscrever-se no site oficial do Harry Potter: Wizards Unite para receber todas as informações sobre este novo jogo para smartphones. A aplicação vai usar a tecnologia de realidade aumentada, tal como o Pokémon Go e o Ingress, para “revelar a magia que está à nossa volta”, lê-se no site.

A Niantic promete uma experiência imersiva: vai ser possível explorar as redondezas e encontrar “artefactos misteriosos”, aprender a lançar feitiços, encontrar “monstros lendários” e personagens icónicas da saga. “Com o Harry Potter: Wizards Unite, os jogadores que têm sonhado em ser feiticeiros na vida real vão finalmente ter a oportunidade de experimentar o mundo dos feitiços de J.K. Rowling”, garantem os responsáveis da Niantic.

O Tech Crunch avançou que a app deverá ser lançada no próximo ano. Não se sabe em que sistemas operativos (Android, iOS, Windows Phone) será lançado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do Pokémon Go, vem aí o Harry Potter: Wizards Unite

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião