Fenprof: “Ou há um compromisso assinado ou vamos ter uma enorme greve”

Sindicatos dos professores reúnem-se esta tarde com o Governo. Fenprof não se mostra confiante em chegar a um acordo mas diz que greve é desconvocável.

Momentos antes da reunião entre os dois maiores sindicatos dos professores e o Ministério da Educação, a Fenprof disse não estar confiante num acordo que beneficie ambas as partes e acredita que, se o Governo quisesse realmente chegar a um acordo, não esperaria pela véspera da greve para convocar os sindicatos.

Em causa está a proposta de não contagem do tempo de serviço destes profissionais, prevista na proposta do Orçamento de Estado para 2018 e que será debatida esta quarta-feira no Parlamento. Momentos antes da reunião, o secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira, disse aos jornalistas que “as expectativas são muito baixas” em relação a um acordo com o Ministério da Educação.

"A nós parece-nos que, se houvesse da parte do Governo a intenção de fazer uma negociação séria sobre o descongelamento das carreiras, ela [a reunião] já deveria ter acontecido.”

Mário Nogueira

Secretário-Geral da Fenprof

Esta reunião com o Ministro da Educação já tinha sido pedida a 12 de outubro, no entanto, apenas foi convocada esta terça-feira, na véspera da greve marcada pelos sindicatos dos professores, descrita pelos mesmos como a maior da década. Além disso, a reunião será apenas com duas secretárias de Estado, o que, para os sindicatos, vem salientar a pouca importância que o Governo dá a esta causa.

Mário Nogueira acrescentou ainda que “a greve é desconvocável até ao momento em que ela começa”, mas não acredita que será possível chegar a um acordo. “Das duas uma: ou hoje há aqui um compromisso claro, inequívoco, escrito e assinado de que o tempo de serviço dos utentes é recuperado, ou amanhã vamos ter uma enorme greve de professores porque não admitimos este desrespeito, esta falta de consideração e esta falta de estima pelos professores ao não quererem contar o tempo que as pessoas cumpriram”, garantiu.

O representante da Fenprof diz ter consciência do esforço orçamental a que esta medida obriga, mas estão “disponíveis para encontrar uma forma faseada no tempo de fazer esta recuperação”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fenprof: “Ou há um compromisso assinado ou vamos ter uma enorme greve”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião