FT: Reabilitação urbana projeta Lisboa e Porto para o futuro

  • ECO
  • 14 Novembro 2017

Financial Times frisa que a reabilitação dos edifícios nas duas cidades portuguesas olha para o passado para projetar futuro. No jornal Público alerta-se para a financeirização da reabilitação urbana.

No Porto, edifícios antigos estão a ser reabilitados com vista para o futuro.DR

Em Lisboa e no Porto, grande parte dos edifícios está a ser recuperado com base na herança do passado para projetar o futuro, tornando o mercado imobiliário nas duas grandes cidades portuguesas cada vez mais atrativos para os investidores. Mas há problemas: a “financeirização” da reabilitação urbana que está a expulsar as famílias locais dos centros urbanos.

O jornal britânico Financial Times (conteúdo em inglês/ acesso pago) conta o caso da arquiteta Joana Leandro Vasconcelos. Foi recentemente contratada para renovar três apartamentos no centro do Porto com a preocupação de criar lares acolhedores ao mesmo tempo que preservava o estilo do edifício da década de 1940.

“As atitudes dos portugueses em relação a edifícios antigos estão a mudar. Os edifícios antigos são cada vez mais valorizados, são encarados como uma herança que vale a pena preservar”, contou Joana Leandro Vasconcelos ao FT.

"As atitudes dos portugueses em relação a edifícios antigos estão a mudar. Os edifícios antigos são cada vez mais valorizados, são encarados como uma herança que vale a pena preservar.”

Joana Leandro Vasconcelos

Arquiteta

O diário britânico associa esta mudança no comportamento dos portugueses ao impulso no mercado imobiliário que Portugal está a viver neste momento e que está a alterar de forma muito célere os centros de muitas cidades portuguesas. E lembra que muitos bairros históricos ficaram em ruínas após décadas de negligência. Mas o cenário está a mudar e a regeneração urbana representa agora o principal motor que está a mexer o até então moribundo setor da construção.

Atraídos por bom momento do mercado, muitos investidores estão a ser atraídos para Portugal. José Velez, diretor executivo da Prime Yield, consultora de Lisboa, adiantou ao FT que os proprietários podem ganhar um retorno médio entre 10% e 15% com investimentos em restauração no centro de Lisboa.

O reverso da medalha vem precisamente desta vertente financeira, conta esta terça-feira o jornal Público, referindo que “os centros das cidades estão a ser reconstruídos ao ritmo de T0 e T1” (acesso pago).

A chamada “financeirização” da habitação urbana está a impor tipologias pequenas nos prédios reabilitados, dimensões que visam responder a uma forte procura turística apetecível para os proprietários e que não têm tanto a ver com habitação de longo prazo de famílias e gente local, explica o jornal.

“Enquanto o turismo estiver com esta força toda no centro da cidade, vai ser muito difícil convencer um proprietário a tirar casas do alojamento local em troca de benefícios fiscais”, disse Adriana Floret, fundadora de um dos primeiros gabinetes de arquitetura dedicados à reabilitação urbana no Porto, em 2001.

De resto, os arquitetos ouvidos pelo Público pedem cuidados na atividade da reabilitação urbana claramente vocacionada para o turismo, defendendo que as frações dos edifícios possam ser transformados novamente (criando casas maiores) quando a expansão turística começar a aliviar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FT: Reabilitação urbana projeta Lisboa e Porto para o futuro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião