Paradise Papers: Moscovici apela à intensificação do combate a “vampiros”

  • Lusa
  • 14 Novembro 2017

Comissário europeu exortou à luta contra o sentimento de impunidade dos que praticam evasão fiscal. Moscovici chamou-lhes "vampiros", que se refugiam na escuridão e apelou à transparência.

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, instou, esta terça-feira, os Estados-membros a adotarem sem mais demoras propostas legislativas apresentadas por Bruxelas para combater a elisão e evasão fiscal, praticadas por “vampiros” que se refugiam na escuridão.

A transparência é a nossa primeira arma, só ela permitirá por termo a esta cultura de segredo e ao sentimento de impunidade destes que praticam e beneficiam da evasão fiscal. São de certa forma vampiros, a única coisa que receiam é a luz. Cabe a nós fazer essa luz”, declarou Moscovici, num debate no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, sobre os ‘Paradise Papers’.

Afirmando-se “profundamente chocado, mas não surpreendido” com o último escândalo de revelações de esquemas fiscais agressivos para fuga aos impostos, os ‘Paradise Papers’, o comissário defendeu que se as propostas já apresentadas pela Comissão, algumas delas na sequência dos ‘Panamá Papers’, “tivessem sido implementadas nos últimos três anos, se a transparência fosse a regra, se a luz tivesse sido feita, poderia ter-se evitado o ultimo escândalo”.

Nesse sentido, exortou os Estados-membros a “acelerar os trabalhos” e a “assumirem as suas responsabilidades”, e sugeriu mesmo um calendário a ser cumprido para a adoção das propostas legislativas que continuam a ser negociadas entre as instituições da UE.

Moscovici disse querer ver aprovado já no Conselho Ecofin de 05 de dezembro próximo a lista negra de paraísos fiscais; dentro de seis meses as regras sobre intermediários fiscais, e dentro de um ano a matéria coletável comum consolidada do imposto sobre as empresas.

“Além da transparência, falta-nos também convergência das regras fiscais. É a ausência de regras comuns na Europa que permite às empresas praticar esta planificação fiscal progressiva, graças às falhas das legislações nacionais e às divergências entre elas”, defendeu.

Segundo Moscovici, não há qualquer razão para “deixar perdurar práticas que não devem ser toleradas”, com a agravante de algumas delas aparentarem ser legais, pelo que, se preciso for, será necessário “mudar a lei”.

“Lamento que as negociações não avancem mais. Os cidadãos não perceberão a nossa inação com estas novas revelações”, sublinhou.

A investigação ‘Paradise Papers’ foi realizada pelo Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ, na sigla em inglês), que divulgou anteriormente os documentos conhecidos como ‘Panama Papers’.

Neste novo trabalho, divulgado no início do mês, o ICIJ analisou 13,4 milhões de ficheiros e expôs 127 líderes políticos de todo o mundo, empresários, artistas e futebolistas com sociedades em paraísos fiscais.

Entre estes estão a rainha Isabel II de Inglaterra, o presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos, o antigo chanceler alemão Gerhard Schröder, Stephen Bronfman, angariador de fundos da campanha eleitoral do primeiro-ministro canadiano, Justin Trudeau, e os cantores Bono (U2) e Madonna, além de mais de uma dúzia de financiadores, conselheiros e membros da administração do Presidente norte-americano, Donald Trump.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Paradise Papers: Moscovici apela à intensificação do combate a “vampiros”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião