Sonae, Accenture ou Continental: há 500 empregos aqui

Mais de 70 entidades participam na "Start Point- Feira de Emprego e Empreendedorismo", que tem lugar entre quarta e quinta feira, na Universidade do Minho. No total são 500 empregos e estágios.

Cerca de 70 entidades, entre as quais constam nomes como a Sonae, Jerónimo Martins, Bosch, Accenture e Continental Mabor vão disponibilizar um total de 500 empregos e estágios a jovens estudantes. A iniciativa denominada “Start Point – Feira de Emprego e Empreendedorismo”, decorre esta quarta e quinta-feira, dias 15 e 16 de novembro, na Universidade do Minho, em Braga e conta com o apoio do Programa Operacional Regional do Norte, pelo Portugal 2020 e pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional.

A organização está a cargo da Associação Académia (AAUM), através dos gabinetes do Empreendedor e de Inserção Profissional.

Esta é a oitava edição da iniciativa e vai apresentar um formato diferente dos anteriores. Para Bruno Alcaide, presidente da AAUM, “foi implementado pela primeira vez um dia de preparação que permite aos participantes usufruírem, na terça-feira, de múltiplas ações relacionadas, com empregabilidade e empreendedorismo, de forma a estarem mais bem preparados para contactarem com as entidades presentes”.

A “Start Point” tem como principal objetivo facilitar o contacto entre jovens e adultos com o mercado de trabalho, através de oportunidades profissionais, do desenvolvimento de competências e do networking dos participantes.

Do programa fazem parte mais de duas dezenas de formações, workshops e talks. Estão ainda previstos espaços de aceleração de startups e sessões sobre o processo de constituição de empresas, alguns sistemas de apoio a ideias de negócio, o futuro do trabalho e a bolsa de emprego da Universidade do Minho, que será apresentada na quinta-feira pelas 17 horas.

O público-alvo da “Start Point” são (ex-) estudantes, investigadores e professores, assim como recém-licenciados e empreendedores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sonae, Accenture ou Continental: há 500 empregos aqui

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião