Exportações dependem de poucas empresas. Mas há melhorias

  • Ana Batalha Oliveira
  • 16 Novembro 2017

As exportações e importações em 2016 continuaram concentradas num número bastante limitado de empresas. Contudo, a concentração aliviou em relação ao ano anterior.

As cem maiores empresas foram responsáveis por 40% das exportações em 2016, uma “significativa concentração”, revela o INE, notando contudo um alívio desta concentração. Apesar de serem poucas as empresas que exportam para vários países, são estas as que mais contribuem para o volume de transações.

“Na globalidade das exportações de bens continuou a evidenciar-se uma significativa concentração do valor transacionado num número reduzido de empresas em 2016″, diz o INE. As maiores cinco empresas são responsáveis por 13,3% do valor exportado e as 100 maiores por 41,9% — ainda assim, menos 1,8 pontos percentuais em relação a 2015.

Comércio Internacional de Bens – Concentração do Valor por Número de Empresas, 2016. Fonte: INE

São as empresas que exportam para vários mercados (acima de vinte), uma fatia de apenas 1,8% entre as exportadoras, que asseguram 41,6% do valor exportado. Um valor elevado mas que desceu 2,1 pontos percentuais relativamente a 2015. Também se destacam nas importações, sendo responsáveis por 25,9%.

Outra das conclusões do relatório é que a maior parte, ou seja mais de dois terços das empresas, continua a transacionar com apenas um país. Estes negócios contam apenas 7,2% do valor transacionado.

Olhando para as empresas nas quais pelo menos 50% das exportações são dirigidas a um único mercado, a percentagem ascende a 94,1% do total. Este conjunto é o responsável por 50,4% do valor exportado.

(Notícia atualizada)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Exportações dependem de poucas empresas. Mas há melhorias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião