VdA: Novo escritório em Santos em edifício da Fidelidade

A Vieira de Almeida (VdA) muda-se na próxima segunda-feira dia 20 de novembro, para um novo escritório, em Santos, propriedade da Fidelidade Property Europe.

A sociedade de advogados Vieira de Almeida (VdA) muda-se na próxima segunda-feira dia 20 de novembro, para um novo escritório, um edifício na zona de Santos, propriedade da Fidelidade Property Europe, SA – (que assegura a gestão dos investimentos imobiliários do Grupo Fidelidade).

“O projeto resulta da reabilitação de um complexo industrial em Santos, convertido num moderno edifício de escritórios, distinguindo-se pela valorização patrimonial e cultural do edifício, respeitando a sua história e memória, através da reinterpretação do espaço industrial legado a uma zona da cidade que está a despertar para uma nova vivência”, segundo comunicado enviado pela Fidelidade.

“Este projeto é um marco no movimento de reabilitação da zona Ribeirinha de Lisboa que, sendo hoje uma realidade, não era ainda evidente aquando do arranque do projeto. A decisão da Vieira de Almeida & Associados de mudar o escritório de Lisboa para esta zona da cidade e a aposta da Fidelidade Property Europe numa operação de grande investimento nesta localização, evidenciam a sintonia entre duas instituições de referência nos seus respetivos setores”, afirma Miguel Santana, Administrador da Fidelidade Property.

O projeto ficou a cargo da OPENBOOK Architecture e PMC Arquitectos, em articulação com a VdA de modo a refletir a sua cultura e o seu posicionamento institucional.

O escritório, que ocupa na totalidade cerca de 8.330 m2 de área bruta acima do solo e 3.192 m2 de área bruta abaixo do solo, resulta de um projeto de reabilitação de um conjunto de naves industriais em Santos, da propriedade da Fidelidade Companhia de Seguros, e a sua conversão num moderno edifício de escritórios. O edifício, uma referência de estilo em edifícios do tipo industrial da primeira metade do século XX, mantinha a sua arquitetura original de grande interesse, embora em avançado estado de deterioração. A intervenção conservou as fachadas originais do edificado.

“Este movimento representa também o nosso compromisso para com a cidade de Lisboa, a quem retribuímos com este projeto de reabilitação, num ambiente cultural e de inovação, e com uma tecnologia que nos prepara para os desafios futuros dos escritórios de advocacia empresarial. Este é também um espaço de proximidade, em que a forte cultura VdA se faz sentir em todo o conceito”, refere João Vieira de Almeida, Managing Partner da VdA.

O projeto agora anunciado está inserido num conjunto de outros, de grande dimensão, que o Grupo Fidelidade está a desenvolver na cidade de Lisboa, e que são a face visível da recomposição do portfólio imobiliário que a Seguradora tem em curso, no âmbito da qual irá intervencionar diversos outros imóveis, maioritariamente em Lisboa e no Porto.

O Grupo Fidelidade, através da Fidelidade Property, investiu durante os últimos doze meses mais de 80 milhões de euros na reconstrução de edifícios situados, especialmente, em zonas históricas da capital.

O projeto desenvolve-se em dois núcleos comunicantes ocupando na totalidade 11.522 m2 de área bruta. O primeiro núcleo, confinante com a Rua Dom Luis I e Boqueirão do Duro, é constituído por três pisos acima do solo e um piso em cave para estacionamento e zonas técnicas. O segundo núcleo, com entrada pelo Largo Conde Barão, é constituído por um edifício com cinco pisos acima do solo e com aproveitamento da cobertura.

O novo escritório fundado por Vasco Vieira de Almeida passa a ter um auditório de 140 lugares, biblioteca, galeria de arte, 23 salas de reuniões, três espaços de reuniões informais, estúdio de música e um gabinete médico. São 157 gabinetes para 380 postos de trabalho.

 

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

VdA: Novo escritório em Santos em edifício da Fidelidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião