Abreu Advogados com nova sede de 13 milhões de euros

A nova sede, localizada na Avenida Infante D. Henrique, conta com dois pisos, 4.200m² de área do terreno e 7.400m² de área bruta de construção e custou 13 milhões de euros

A Abreu Advogados inaugurou oficialmente a sua nova sede, na zona ribeirinha da cidade de Lisboa na passada terça feira, dia 3 de outubro.

A cerimónia foi presidida por Fernando Medina, Presidente da Câmara Municipal de Lisboa e por Guilherme Figueiredo, Bastonário da Ordem dos Advogados.

“Situado numa das artérias principais da capital, o novo espaço funde um conceito moderno de arquitectura corporativa com um edifício que preservou a história da expansão portuguesa para o mundo, os Arquivos Gerais da Administração do Porto de Lisboa”, informou a sociedade, em comunicado.

A nova sede, localizada na Avenida Infante D. Henrique, conta com dois pisos, 4.200m² de área do terreno e 7.400m² de área bruta de construção. O novo espaço dispõe de 14 salas de reunião para clientes e cinco internas, um auditório com capacidade para 100 pessoas, uma área de refeição (Foodcourt), com capacidade para 70 pessoas e, ainda, espaços de lazer e ao ar livre, como um pequeno jardim interior e um terraço interno, bem como uma área de balneários para os colaboradores desportistas.

Com uma fachada de 100 metros virada para o rio, a Abreu Advogados tem agora toda a equipa reunida sob o mesmo tecto e num só piso.

Este projecto foi desenvolvido em parceria com a Fidelidade Property e a OpenBook (projectista) tendo um investimento global de 13 milhões de euros.

“Enquanto sociedade de advogados disruptiva e inovadora, a Abreu Advogados escolheu um projecto de reabilitação urbana onde se fundiu um conceito moderno de arquitectura corporativa com um edifício que preservou a história da expansão portuguesa para o mundo. Um compromisso com a recuperação do património histórico e que demonstra a pertinência de contrariar a tendência de desertificação e de desvio dos bairros históricos e tradicionais lisboetas“, explicou na altura Duarte de Athayde, managing partner da Abreu Advogados.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Abreu Advogados com nova sede de 13 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião