CEO da Vodafone: negócio Media Capital-Altice “está chumbado”

  • ECO
  • 18 Novembro 2017

Mário Vaz argumenta que a decisão da ERC é "válida e vinculativa" e, por isso, a compra da Media Capital pela Altice "está chumbada". O CEO da Vodafone alerta para semelhanças com a Operação Marquês.

Mário Vaz, presidente executivo da Vodafone,Paula Nunes / ECO

O presidente executivo da Vodafone acompanha as acusações feitas por Paulo Azevedo, da Sonae, relativamente à operação entre a Media Capital e a Altice. Mário Vaz admite que existem semelhanças com a Operação Marquês, mas que a operação já “está chumbada”, afirmou este sábado em entrevista ao Dinheiro Vivo e à TSF. Isto porque na sua opinião a decisão da ERC devia ser considerada, apesar de o presidente da entidade ter impedido o consenso sobre o negócio. A decisão está agora nas mãos da Autoridade da Concorrência.

“A posição da Vodafone é conhecida: é mau para o país porque é mau para o setor das telecomunicações, é mau para a democracia, é mau para a pluralidade dos órgãos de informação”, sintetiza o CEO da Vodafone, referindo-se à aquisição da Media Capital pela Altice, dona da Meo. Mário Vaz vai mais longe, fazendo uma comparação com a Operação Marquês, considerando que este negócio atinge a pluralidade, a concorrência e a democracia. No final de outubro, Paulo Azevedo, presidente da Sonae, tinha considera que esta operação criava “condições” para uma nova Operação Marquês, mas “dez vezes maior”.

Mário Vaz considera que “a decisão [sobre a operação] existe, está tomada, é válida e tem caráter vinculativo (…) está chumbada“, recorrendo ao parecer da Anacom, mas também ao que se passou na ERC. “Do ponto de vista legislativo, a verdade é que uma decisão qualificada de maioria é aquela que é exigida para a ERC, os três membros em exercício estiveram na reunião e dois deles votaram contra a aquisição. Para nós esta decisão é válida”, argumenta, rejeitando a ideia de unanimidade. Em causa esteve a posição do presidente da Entidade Reguladora para a Comunicação que não permitiu unanimidade na decisão.

A decisão passou para as mãos da Autoridade da Concorrência, mas, mesmo assim, o CEO da Vodafone está convicto: “Estou plenamente confiante, pelas duas decisões já tomadas, que não tem outro caminho senão subscrever a decisão dos dois anteriores órgãos”. No entanto, admite que não ficaria surpreso caso haja uma decisão contrária. Mas alerta que os “efeitos [da operação] são muito nefastos”. “É muito perigoso porque significaria que os clientes deixariam de ter liberdade de escolha”, conclui.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CEO da Vodafone: negócio Media Capital-Altice “está chumbado”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião