Reforma fiscal de Trump anima Wall Street

As bolsas norte-americanas arrancaram a semana em terreno positivo, com os investidores a aguardarem por detalhes sobre a reforma fiscal prometida por Donald Trump.

À semelhança do que aconteceu na Europa, nos EUA as bolsas valorizaram. O arranque da semana foi positivo em Wall Street, com os investidores a aguardarem por detalhes sobre a reforma fiscal prometida por Donald Trump.

O Dow Jones destacou-se ao somar 0,31% para 23.430,33 pontos, isto enquanto o S&P 500, o índice de referência da bolsa dos EUA, apresentou uma valorização de 0,11% para 2.581,73 pontos. O Nasdaq seguiu a tendência ao apreciar 0,12% para 6.790,71 pontos.

“Com o fim da época de resultados, as notícias macroeconómicas e a perspetiva de uma reforma fiscal [nos EUA] vão basicamente guiar o mercado”, afirmou Peter Cardillo, economista-chefe da First Standard Financial, em Nova Iorque, à Reuters.

“O facto da reforma fiscal estar a ser debatida paralelamente no Senado e na Câmara dos Representantes, o que dá origem a duas versões, está a preocupar os investidores. Estes investidores temem que a conciliação entre as duas versões seja um processo longo e atribulado”, diz o BPI.

A subida dos mercados acionistas acontece no dia em que Janet Yellen anunciou a sua demissão da Reserva Federal dos EUA. A presidente da autoridade monetária deveria manter-se na Fed até 2024, mas decidiu renunciar, ficando apenas até à tomada de posse de Powell. O novo homem forte da Fed é bem visto pelos investidores que aguardam mais subida de juros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reforma fiscal de Trump anima Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião