Inventários caem e OPEP levanta-se. Crude sobe acima dos 2%

  • Ana Batalha Oliveira
  • 22 Novembro 2017

Com as notícias de quebras nos inventários e a reunião da OPEP à vista, os investidores estão otimistas em relação aos preços da matéria-prima.

O petróleo começou o dia a subir ligeiramente acima de 2%, com o barril em Nova Iorque a passar os 57 dólares. Em Londres o barril também segue a valorizar, acima de 1%. Os investidores são animados por quebras na produção norte-americana e pela reunião da OPEP, que pode ditar um prolongamento dos cortes na produção até março e provocar assim subidas nos preços da matéria-prima.

O West Texas Intermediate valorizou esta manhã até aos 57,98 dólares, uma subida de 2,02%. O barril de crude atinge o valor mais alto desde julho de 2015. O Brent de Londres, a referência para a Europa, atingiu também um pico de 1,31%, que colocou o barril a cotar nos 63,39 dólares.

Cotação do barril de crude (em dólares)

De acordo com os dados do American Petroleum Institute, os inventários americanos encolheram 6,36 milhões de barris a semana passada. Esta quarta-feira o Governo americano deverá anunciar novas quebras esta quarta-feira — uma queda de cerca de 2,2 milhões de barris, segundo as projeções da Bloomberg.

As expectativas estão altas e isso pode levar a desilusões se a OPEP e os seus parceiros não corresponderem.

CMC Markets

A Organização de Países Exportadores de Petróleo (OPEP) reunirá na próxima semana, em Viena, para decidir acerca de um possível prolongamento dos cortes na produção de petróleo até março de 2018.

Parece que o único caminho para o petróleo são as subidas“, comenta um especialista da CMC Markets. “Muitos investidores estão a especular sobre o possível resultado da reunião da OPEP. As expectativas estão altas e isso pode levar a desilusões se a OPEP e os seus parceiros não corresponderem, mas não me parece que muitos estejam preparados para acarretar com o risco de isso se vir a verificar”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Inventários caem e OPEP levanta-se. Crude sobe acima dos 2%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião