Petróleos da Venezuela tem pago ao Novo Banco

  • ECO
  • 20 Novembro 2017

A Venezuela continua a viver um período de instabilidade depois de ver o seu rating baixar. A petrolífera estatal falhou um pagamento. Contudo, a situação não terá afetado o empréstimo do Novo Banco.

A Petróleos da Venezuela terá continuado a cumprir o crédito que tem no Novo Banco. Depois de a 10 de novembro uma empresa estatal ter falhado o pagamento dos juros, o Estado venezuelano viu o seu rating descer pela S&P e a Fitch, duas das maiores agência de notação financeira. Logo depois, Caracas acionou o estado de emergência. Apesar dessas complicações no mercado de dívida, a petrolífera estatal terá continuado a pagar ao Novo Banco, segundo o Jornal de Negócios (acesso pago) desta segunda-feira.

Não temos conhecimento de que tenha ocorrido alguma situação de incumprimento ou que o Novo Banco tenha sido informado de um potencial incumprimento“, declara, ao jornal, o Fundo de Resolução, que é uma das entidades que está na comissão de acompanhamento dos ativos do Novo Banco. Isto acontece porque o banco da Lone Star tem ativos cobertos por um mecanismo de capitalização contingente. Em causa está uma garantia de cerca de quatro mil milhões prestada pelo Fundo de Resolução para garantir o nível de rácios de capital da instituição financeira.

Caso entre em incumprimento, o crédito da Petróleos da Venezuela é um dos que está acautelado pela garantia aprovada por Bruxelas. “Quanto às eventuais implicações para o Fundo de Resolução, o mecanismo funciona nos termos que já foram divulgados e que requer a verificação cumulativa de duas condições, relacionadas com o desempenho da carteira de ativos e com a posição de solvabilidade do Novo Banco”, esclarece a entidade.

No entanto, o jornal revela que o Novo Banco não tem qualquer registo de incumprimento soberano. Oficialmente, o banco recusa-se a comentar: “O Novo Banco não divulga qualquer informação sobre eventuais clientes”. Segundo os relatórios oficiais de 2016, citados pelo Jornal de Negócios, existia um crédito de 136 milhões de euros à Petróleos da Venezuela. Além disso, o Novo Banco abriu uma nova linha de crédito renovável anualmente até aos 60 milhões de dólares.

Mais recentemente, a Venezuela anunciou que assinou um acordo com a Rússia para conseguir um alívio financeiro. Em causa está a reestruturação do pagamento de uma dívida de quase três mil milhões de euros.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleos da Venezuela tem pago ao Novo Banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião