PS volta atrás e retira apoio a alargamento da CESE às energias renováveis

  • Marta Santos Silva
  • 24 Novembro 2017

A proposta do Bloco de Esquerda para que as empresas de energias renováveis passem a pagar também uma contribuição sobre o setor energético foi aprovada, mas o Governo muda agora o voto e volta atrás.

A proposta do Bloco de Esquerda de criar uma contribuição especial para os produtores de energia isentos da Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE), nomeadamente os produtores de energias renováveis, foi aprovada esta sexta-feira na especialidade, na reunião da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa. No entanto, poucas horas depois, o PS, que votara a favor, pediu uma reapreciação da proposta em plenário, na segunda-feira, escreve o Jornal de Negócios.

A proposta visa que o Governo defina uma contribuição para aqueles que estão isentos da CESE, “com a finalidade de entrar em vigor com o Orçamento do Estado para 2019”.

O Partido Socialista apoiou esta proposta na votação inicial na especialidade, juntando-se ao PCP e ao Bloco de Esquerda, com os votos contra do CDS-PP e do PSD. No entanto, o partido do Governo já pediu a avocação da proposta.

Na justificação da sua proposta, o Bloco de Esquerda nomeia especificamente a EDP Renováveis. “A atividade da EDP Renováveis em Portugal, apenas 7% da produção elétrica da empresa, representa 20% dos seus lucros antes de juros e impostos”, assinalam os deputados.

“Não é aceitável que o setor renovável continue isento de qualquer contributo para reduzir a dívida tarifária e, com ela, os custos energéticos das famílias, sobretudo quando beneficia de prioridade no escoamento da produção e de vultuosos subsídios (cujos prazos de vigência foram ditados pelo Governo em 2013)”, continuam os deputados.

Notícia atualizada às 00:05 com a informação de que o PS pediu a avocação desta proposta.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS volta atrás e retira apoio a alargamento da CESE às energias renováveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião