PS volta atrás e retira apoio a alargamento da CESE às energias renováveis

  • Marta Santos Silva
  • 24 Novembro 2017

A proposta do Bloco de Esquerda para que as empresas de energias renováveis passem a pagar também uma contribuição sobre o setor energético foi aprovada, mas o Governo muda agora o voto e volta atrás.

A proposta do Bloco de Esquerda de criar uma contribuição especial para os produtores de energia isentos da Contribuição Extraordinária sobre o Setor Energético (CESE), nomeadamente os produtores de energias renováveis, foi aprovada esta sexta-feira na especialidade, na reunião da Comissão de Orçamento, Finanças e Modernização Administrativa. No entanto, poucas horas depois, o PS, que votara a favor, pediu uma reapreciação da proposta em plenário, na segunda-feira, escreve o Jornal de Negócios.

A proposta visa que o Governo defina uma contribuição para aqueles que estão isentos da CESE, “com a finalidade de entrar em vigor com o Orçamento do Estado para 2019”.

O Partido Socialista apoiou esta proposta na votação inicial na especialidade, juntando-se ao PCP e ao Bloco de Esquerda, com os votos contra do CDS-PP e do PSD. No entanto, o partido do Governo já pediu a avocação da proposta.

Na justificação da sua proposta, o Bloco de Esquerda nomeia especificamente a EDP Renováveis. “A atividade da EDP Renováveis em Portugal, apenas 7% da produção elétrica da empresa, representa 20% dos seus lucros antes de juros e impostos”, assinalam os deputados.

“Não é aceitável que o setor renovável continue isento de qualquer contributo para reduzir a dívida tarifária e, com ela, os custos energéticos das famílias, sobretudo quando beneficia de prioridade no escoamento da produção e de vultuosos subsídios (cujos prazos de vigência foram ditados pelo Governo em 2013)”, continuam os deputados.

Notícia atualizada às 00:05 com a informação de que o PS pediu a avocação desta proposta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PS volta atrás e retira apoio a alargamento da CESE às energias renováveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião