Concursos das obras públicas caem para quase metade

  • Lusa
  • 24 Novembro 2017

Os concursos de empreitadas de obras públicas em outubro sofreram um " forte abrandamento". Também os contratos celebrados recuaram expressivamente.

O mercado de obras públicas teve “uma travagem a fundo”, com os concursos promovidos a recuarem 45,7% em outubro, para 102 milhões de euros, face a setembro, o pior mês desde maio de 2016, revelou hoje a AICCOPN.

Segundo a edição de outubro do Barómetro das Obras Públicas da Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), em outubro, “os concursos de empreitadas de obras públicas promovidos registam um forte abrandamento, com o valor apurado neste mês, 102 milhões de euros, a situar-se 45,7% abaixo do mês anterior e em menos de metade do valor médio mensal do ano, 242 milhões”.

“Este é, inclusivamente, o pior mês desde maio de 2016”, evidencia o barómetro. Até ao final de outubro deste ano, no entanto, os concursos de empreitadas de obras públicas promovidos registam um crescimento homólogo de 80%, totalizando 2.421 milhões de euros.

No mesmo sentido do que se observou nos contratos de obras públicas promovidos, também os contratos celebrados registaram em outubro um “abrandamento muito expressivo”, para 81 milhões de euros, um recuo de 61,6% face a setembro e 50,4% abaixo da média do ano, 163 milhões de euros.

Não obstante esta queda, o total de contratos celebrados e reportados nos primeiros dez meses do ano atingiu os 1.629 milhões de euros, isto é, mantém um crescimento de 44% em termos homólogos.

Segundo o barómetro, os contratos celebrados no âmbito de concursos totalizam 927 milhões de euros, mais 55% em termos homólogos, enquanto os contratos celebrados em resultado de ajustes diretos somaram 600 milhões, 36% acima do valor observado em idêntico período de 2016, sendo que ambos registaram uma queda mensal de 68%, face ao mês anterior.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Concursos das obras públicas caem para quase metade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião