Liberais ameaçam liderança de Centeno no Eurogrupo

  • ECO
  • 24 Novembro 2017

Apesar de entre a esfera socialista o nome de Centeno ser o preferido, mas os "equilíbrios políticos" poderão afetar a candidatura do ministro das Finanças português ao Eurogrupo.

A liderança de Centeno no Eurogrupo ainda tem vários “senãos”. Os liberais, em conjunto com o Partido Popular Europeu, poderão apresentar entraves. O próprio Governo português ainda não decidiu enviar a candidatura, sendo que o prazo é o final de novembro.

A eleição do ministro do Eurogrupo está dependente de equilíbrios políticos no espaço da União Europeia, dentro da qual as famílias políticas se devem apoiar. Será de esperar que Centeno seja apoiado por Malta, Itália, Suécia e Grécia, mas o PPE tem oito ministros no Eurogrupo e, os liberais, dois. Os restantes quatro são independentes, mas dois de governos mais à direita. Desta forma, mesmo com o apoio de Espanha, será difícil obter a maioria simples necessária a ganhar as eleições, nota o Público.

A candidatura de Peter Kazimír, ministro das Finanças da Eslováquia, veio abalar as hipóteses de Centeno. Isto porque a sua ideologia será mais ao centro que a do ministro das Finanças português, o que facilitará a aceitação pelos liberais e pelo PPE.

Kazimír tem ainda a vantagem de ser oriundo da Europa de Leste, uma altura em que se pretende alargar a zona euro. Fonte do Governo português diz ao Público que Kazimír não foi o escolhido entre os socialistas, assumindo contudo que “a diplomacia é um jogo difícil de seguir”.

Antes de Kazimír surgir na lista de candidatos, Centeno aparecia como o preferido entre os socialistas. Na altura enfrentava apenas o ministro das Finanças italiano na corrida à presidência do Eurogrupo. O facto de o Banco Central Europeu presidido por um italiano — Mário Draghi — dava a vantagem ao “Ronaldo das Finanças”.

Os governos socialistas são cada vez menos entre os países da União Europeia. Este ano, desceram do poder na Áustria, Republica Checa, França e Holanda.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Liberais ameaçam liderança de Centeno no Eurogrupo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião