Lisboa contraria Europa e recua após semana de ganhos

A bolsa nacional contrariava as praças europeias e recuava ligeiramente, numa semana em que ainda só viu ganhos. Galp pressionava e a família EDP travava as perdas.

A bolsa de Lisboa abriu em queda, contrariando a generalidade das congéneres europeias, que seguiam a valorizar. Numa semana em que o índice nacional ainda só viu ganhos, estava a ser, sobretudo, conduzido pelo setor energético, com a petrolífera Galp Energia a pressionar e a EDP a aliviar as perdas.

Neste contexto, o Stoxx 600 abriu com um avanço de 0,09%, enquanto o PSI-20 seguia com perdas ligeiras, na ordem dos 0,10%. A provocar o recuo estava a Galp Energia, que caía 0,31% para 15,87 euros cada ação, num dia em que o petróleo valorizava nos mercados internacionais: em Londres, o barril negociava-se a 63,64 dólares, uma subida intradiária de 0,13%.

Ao mesmo tempo, a queda de 0,63% nas ações da Altri, para 5,17%, ajudavam no recuo do índice nacional. A travar as perdas estava a família EDP. A energética nacional avançava 0,10% para 2,93 euros, enquanto a EDP Renováveis avançava 0,22% para 6,945

Nota ainda para as ações da REN, cuja cotação estava sob a natural influência da cotação dos direitos de subscrição do novo aumento de capital, títulos que começaram a negociar na bolsa esta quinta-feira. Enquanto a empresa desvalorizava 0,04% para 2,488 euros, os direitos seguiam inalterados nos 15,1 cêntimos.

Contas feitas, cada nova ação da REN estava a custar 2,481 euros, um valor ligeiramente inferior ao valor das ações da empresa no mercado.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lisboa contraria Europa e recua após semana de ganhos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião