OMC: Ausência de acordo comercial com UE no Brexit não será “o fim do mundo”

  • Lusa
  • 27 Novembro 2017

O presidente da organização Mundial do Comércio considera que a ausência de acordo comercial com a União Europeia não será "o fim do mundo" para o Reino Unido.

A ausência de acordo comercial com a União Europeia (UE) no momento do Brexit não será “o fim do mundo” para o Reino Unido, mesmo que possa haver custos, afirmou neste domingo o líder da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Sem acordo comercial no momento da saída britânica da UE (Brexit), serão aplicadas as regras da OMC, ou seja barreiras alfandegárias e tarifárias.

Cerca de metade do comércio do Reino Unido já está sujeito às regras da OMC – com os Estados Unidos, com a China e com vários países emergentes com os quais a UE não tem acordos comerciais”, declarou Roberto Azevedo em entrevista ao jornal britânico The Sunday Telegraph.

“Se o comércio do Reino Unido com a UE for regido pelas regras da OMC não será o fim do mundo”, acrescentou, afirmando, no entanto, ser preferível um acordo entre as duas partes.

O Reino Unido deve deixar a UE em 29 de março de 2019, mas espera concluir até lá um acordo de livre comércio com Bruxelas.

A UE recusa, no entanto, iniciar negociações sobre a futura relação comercial sem um acordo prévio sobre três dossiês que considera prioritários, incluindo a fatura da saída britânica e a fronteira entre as duas partes da Irlanda, havendo a possibilidade de não existir acordo.

Nessa hipótese, “pode haver alguma rigidez e custos, mas não é como se o comércio entre o Reino Unido e a UE fosse parar. Haverá um impacto, mas creio que pode perfeitamente ser gerido”, considerou Azevedo.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

OMC: Ausência de acordo comercial com UE no Brexit não será “o fim do mundo”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião