Incerteza política na Zona Euro pode provocar subida de juros de algumas dívidas soberanas, avisa o BCE

  • Lusa
  • 29 Novembro 2017

A rentabilidade dos bancos da Zona Euro continua a ser um risco devido ao elevado número de créditos duvidosos que têm em carteira.

O Banco Central Europeu (BCE) adverte que a incerteza política na Zona Euro poderia provocar a subida dos prémios de risco de algumas obrigações soberanas e criar preocupação face à sustentabilidade das dívidas de alguns países. No último relatório de estabilidade financeira, o BCE adianta que, contudo, “a recuperação económica apoiou nos últimos seis meses as perspetivas da sustentabilidade da dívida soberana da zona euro”.

Também existem riscos associados “aos elevados níveis de dívida” no setor privado não financeiro, “tendo em conta os altos níveis de endividamento” das empresas da Zona Euro, tanto na comparação histórica como na internacional.

Mesmo assim, segundo o relatório semestral, a rentabilidade dos bancos da Zona Euro continua a ser um risco devido ao elevado número de créditos duvidosos que têm em carteira. Os bancos da zona euro enfrentam alguns desafios estruturais como o “excesso de capacidade, a falta de diversificação de receitas e a ineficácia dos custos”.

Em geral, os indicadores de tensão sistémica para a Zona Euro mantiveram-se baixos nos últimos seis meses devido à melhoria das perspetivas de crescimento e aos menores desequilíbrios fiscais e externos, refere o relatório. Contudo, mantém-se o risco de uma correção rápida dos preços dos ativos nos mercados globais no futuro.

O BCE mostra-se preocupado com “a continuada compressão dos prémios de risco, a baixa volatilidade e os sinais de que aumentou a assunção de riscos nos mercados financeiros porque podem semear as sementes de grandes correções de preços de ativos no futuro”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Incerteza política na Zona Euro pode provocar subida de juros de algumas dívidas soberanas, avisa o BCE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião