Portugueses gastam 200 milhões de euros em… chocolates

  • Lusa
  • 2 Dezembro 2017

O consumo per capita de chocolate em Portugal deverá rondar, este ano, os dois quilos. É muito? Os portugueses estão na cauda da Europa. Os espanhóis consomem o dobro.

As vendas de chocolates em Portugal vão ultrapassar os 200 milhões de euros em 2017, devendo ficar entre 3% a 5% acima de 2016, animadas pelas boas perspetivas de consumo neste Natal, revelou a associação do setor.

“Há o reconhecimento de que há uma tendência de crescimento sustentado do consumo de chocolate em Portugal, que embora mais lento do que gostaríamos, deverá superar os 200 milhões de euros este ano, animado pela expectativa de que neste Natal o consumo volte a ser alto”, disse à agência Lusa o secretário-geral da Associação dos Industriais de Chocolates e Confeitaria (ACHOC), Manuel Barata Simões.

O consumo ‘per capita’ de chocolate em Portugal era de 1,5 quilograma (kg)/ano há cinco anos e deverá rondar os dois quilos no final deste ano, de acordo com dados da ACHOC, mas os portugueses estão na cauda da Europa ao nível do consumo, atrás da Espanha (quatro kg/ano) e mesmo da Grécia (3,8 kg/ano).

A presidente executiva da Imperial, a maior produtora nacional de chocolates, que tem três unidades de produção, incluindo uma nova fábrica em Vila do Conde, vê também neste Natal “um aumento muito expressivo [do consumo]” de chocolate, apesar de as alterações climáticas, com este tempo “excessivamente quente”, penalizarem os produtos vendidos no Inverno, o que acontece igualmente em Espanha.

A sazonalidade no consumo de chocolates em Portugal, marcada por dois picos – no Natal e na Páscoa -, é compensada pela Imperial com o aumento das exportações para países onde “esta sazonalidade ou não existe ou está invertida”, disse à Lusa Manuela Tavares de Sousa.

Outra forma de combater a sazonalidade é apostar em produtos inovadores, propostas atrativas e experiências para o palato dos consumidores.

Também Cristina Tomás, diretora Comercial da Lacasa Portugal, uma filial do grupo familiar espanhol que está há 29 anos no país, afirmou à Lusa que a empresa procura contrariar a sazonalidade no mercado português, e manifestou-se otimista em relação às vendas na quadra natalícia, lembrando no Natal há “um grande pico” no consumo.

A seguir ao Natal “vem a Páscoa”, prosseguiu a gestora, que conta com três fábricas em Espanha, lembrando que estão “já a preparar” o primeiro trimestre do próximo ano e a Páscoa uma época que terá “muitas novidades”.

Embora haja unanimidade sobre o aumento das vendas neste Natal, o setor entende que “está a ser penalizado” pois, os últimos governos “continuam sistematicamente” a tributar o chocolate à taxa de IVA (Imposto sobre o Valor Acrescentado) de 23%, considerando este produto alimentar como “um bem de luxo”, quando em Espanha a taxa é de 10%, lamentou a ACHOC.

Para a associação, por se tratar de um bem alimentar com benefícios para a saúde, desde que consumido com moderação, a harmonização fiscal ao nível do IVA com Espanha teria “todo o cabimento” e permitiria aumentar o consumo não só no Natal como durante todo o ano.

Esta medida “não foi uma vez mais contemplada” no Orçamento do Estado para 2018, disse à Lusa o secretário-geral da ACHOC, lembrando que o setor vai continuar a crescer sustentadamente, embora sem esta “prenda” no sapatinho.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses gastam 200 milhões de euros em… chocolates

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião