Compras de Natal na loja ou online? Portugal ainda é conservador

  • ECO
  • 2 Dezembro 2017

Nove em cada dez consumidores portugueses admite que prefere fazer compras em lojas físicas, maioritariamente centros comerciais, na época festiva. Tendência europeia privilegia mais compras online.

Onde vai fazer as suas compras para o Natal deste ano? Se é português, uma análise divulgada pela Deloitte indica que provavelmente preferirá fazê-las em lojas físicas. De acordo com o Estudo de Natal 2017, quase nove em cada dez consumidores, em Portugal, dizem continuar a preferir fazer compras maioritariamente em centros comerciais.

Quase nove em cada 10 consumidores portugueses escolhem maioritariamente centros comerciais para fazer as compras para o Natal.Pixabay

No comércio digital, as palavras de ordem são, por outro lado, comparação e inspiração. Os consumidores confessam que usam a Internet para procurar ideias, obter conselhos e comparar preços para os presentes de Natal. Apesar de reconhecerem o valor dessa montra digital, os portugueses continuam a preferir deixar a maior parte dos 25 euros que pretendem investir em cada prenda, nas lojas físicas.

“Portugal continua a ser mais conservador na utilização do comércio eletrónico do que a generalidade dos países europeus“, concluiu o inquérito, que abrangeu dez países europeus. Embora em todos os países onde foram ouvidos consumidores as lojas físicas representem o canal de compra predominante, Portugal é o campeão desse campeonato, seguido pela Grécia, Holanda e Itália.

Outros países europeus são menos conservadores

“O recurso às lojas físicas mantém-se fortemente ancorado nos hábitos de consumo da população portuguesa. No entanto, a utilização de canais digitais desempenha um papel cada vez maior na jornada de compra“, explica Pedro Silva, parceiro da Deloitte, nas áreas do retalho e consumo, em comunicado. Neste sentido, o número de inquiridos que declarou nunca ter realizado compras online é menor este ano do que no ano passado, descendo de 16% em 2016 para 11% em 2017.

Portugueses são leais?

Se um produto não estivesse disponível na loja física onde habitualmente compra, o que faria? A esta questão do estudo, 28% dos portugueses responderam que procurariam o artigo em causa numa loja de outra cadeia. Outros (27%) recorreriam a outra loja da mesma cadeia ou pediriam ajuda de um funcionário. Já quando a indisponibilidade acontece numa loja online, a maioria dos clientes procuram numa loja física — apenas 7% tentam encontrar alternativas, no universo digital.

Em toda a Europa (incluindo em Portugal), as redes sociais são usadas maioritariamente para pesquisar ideias e produtos. A verificação de preços é outra das finalidades mais comuns.

O que quer receber?

E o que vão receber os portugueses neste Natal? Esperam receber chocolates (57%), livros (53%), roupa e calçado (53%), cosméticos e perfumes (47%), dinheiro em numerário (40%), alimentação e bebidas (30%), produtos de beleza e tratamentos (27%), acessórios (23%), CD (21%) e vales para restaurantes (17%).

O estudo da Deloitte demonstra que, no resto da Europa, os inquiridos pretendem oferecer essencialmente livros (excluindo os presentes de criança) e esperam receber chocolates e dinheiro.

Quanto ao calendário, perto de metade dos inquiridos (tanto em Portugal como no resto da Europa) tenciona comprar as prendas durante o mês de dezembro. Ao todo, as famílias portuguesas tencionam gastar uma média de 338 euros no Natal e Ano Novo este ano, menos 21 euros do que em 2016, ano em que estes gastos rondaram os 359 euros, segundo dados divulgados anteriormente pela Deloitte.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compras de Natal na loja ou online? Portugal ainda é conservador

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião