Parlamento decide fim dos subsídios de Natal e férias por duodécimos no privado

  • Margarida Peixoto
  • 23 Novembro 2017

A proposta do PCP que propõe o fim do pagamento dos subsídios de Natal e de férias em duodécimos no setor privado foi aprovada. Só o PSD votou contra.

A proposta do PCP que propõe o fim do pagamento dos subsídios de Natal e de férias em duodécimos também no privado foi aprovada esta quinta-feira, na votação de especialidade do Orçamento do Estado para 2018.

A eliminação dos duodécimos foi aprovada com os votos favoráveis do PCP, PS, BE e CDS. Já o PSD votou contra a eliminação desta medida.

A regra, agora eliminada, permitia que os trabalhadores do setor privado pudessem receber metade do subsídio de férias e de natal ao longo de 12 meses, sendo a outra metade paga nos períodos habituais previstos na lei. Quem não quisesse receber desta forma, podia manifestar a sua vontade ao empregador, recebendo assim os subsídios por inteiro nas datas habituais. Nos contratos a prazo, porém, era necessário acordo escrito para que o pagamento fosse faseado.

A proposta do PCP visa, tal como explica a exposição de motivos, equiparar o setor público ao privado. “No ano de 2018, os subsídios de Natal e de férias a pagar aos funcionários públicos e pensionistas, passa a ser feito por inteiro. Subsistir esta regra para o setor privado, cria desigualdades no tratamento dos trabalhadores,” argumentam os comunistas. No entanto, no caso da função pública e dos pensionistas, não havia escolha: metade dos subsídios foi paga, este ano, em duodécimos, e a outra metade nos períodos habituais.

Para o PCP, “a decisão de pagamento em duodécimos dos subsídios visou a sua diluição na retribuição mensal, num contexto de cortes e restrições salariais, por forma a escamotear a redução de rendimento dos trabalhadores e dos pensionistas.” Por isso, os deputados comunistas argumentam que “o subsídio de Natal e de férias é um direito dos trabalhadores pelo que o seu pagamento deve ser feito por inteiro no momento previsto para o seu usufruto.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento decide fim dos subsídios de Natal e férias por duodécimos no privado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião