Infarmed. Decisão é legal, mas pode custar muito dinheiro

O ministro da Saúde quer transferir 70% da estrutura do Infarmed para o Porto. Mas se algum trabalhador se despedir, terá direito a uma compensação. João Bilhim e advogados enquadram a decisão.

O Estado pode transferir os trabalhadores do Infarmed de Lisboa para o Porto. Porém, terá de arcar com os custos da decisão e os trabalhadores, caso queiram quebrar o vínculo contratual com o Estado, terão direito a uma indemnização semelhante a uma situação de despedimento por parte da entidade patronal. Desde que aleguem “prejuízos sérios”.

João Bilhim, ex-presidente da Comissão de Recrutamento para a Administração Pública (CRESAP), admite ao ECO que “é possível movimentar os trabalhadores para o Porto. O problema são os custos”. O especialista em contratação pública admite que “os contratos em funções públicas garantem haver deslocação desde que seja paga. O funcionário público não é inamovível. Mas tem de ser pago por isso, e é caro. Razão pela qual estas decisões não costumam ser tomadas”.

João Bilhim faz ainda a comparação a uma comissão de serviço em que o funcionário público “não pode recusar fazer, mas o Estado tem de lhe pagar a viagem, as ajudas de custo e as horas extra”. Perante este cenário, o ex-líder da CRESAP admite que “esta decisão vai ser mais uma questão de maquilhagem. Provavelmente mudam o conselho diretivo do Infarmed e a sede, mas os serviços que são mais difíceis de deslocar permanecem em Lisboa, porque os custos seriam muito elevados. É uma medida para encher o olho”, afirmou o especialista.

Consulta prévia aos trabalhadores

A simples mudança da sede não implica qualquer formalidade legal, mas se o objetivo do Executivo for uma mudança geográfica dos serviços então é necessário proceder a uma consulta prévia aos trabalhadores para “acautelar os efeitos laborais dessa transmissão”, explicou ao ECO a especialista em legislação laboral Maria do Rosário Ramalho.

O presidente do Instituto do Direito do Trabalho complementa: “Além desta consulta aos trabalhadores para ver as consequências (económicas, pessoais e familiares), há que verificar a necessidade da transferência. Não pode ser uma decisão caprichosa”, acrescentou. Romano Martinez sublinha que no caso de uma decisão política “aí haverá um fundamento”, como por exemplo a descentralização de competências.

Depois de feita esta consulta, o Governo até pode decidir não avançar com a transferência do estabelecimento, mas se o fizer, os trabalhadores podem invocar “prejuízo sério” e rescindir contrato. Mas neste ponto as opiniões divergem.

Prejuízo sério? As opiniões divergem

Maria do Rosário Ramalho considera que o trabalhador não tem direito a uma indemnização pelo auto despedimento por justa causa, porque “o ato de transferência é lícito”. Opinião diferente tem Romano Martinez que defende haver lugar a indemnização. Contudo, ambos concordam que, no caso de transferência definitiva, os trabalhadores têm de ser ressarcidos do acréscimo por se deslocar, ou seja, o Estado tem de lhes pagar as despesas com a mudança da casa. Não está em causa, por exemplo, pagar a renda da nova casa, ou outro tipo de compensação.

Susana Afonso, advogada e sócia da CMS, Rui Pena & Arnaut, também concorda e explica que “quando ocorre uma transferência definitiva do local de trabalho, o empregador terá de avisar os colaboradores com um pré-aviso de 30 dias, devidamente justificado”. E os trabalhadores podem “aceitar a transferência e o empregador, nesse caso, terá de custear as despesas dos custos de deslocação e mudança de residência” ou então “recusar a transferência invocando prejuízo sério e cessar o contrato de trabalho, com direito ao pagamento da compensação legal relativa à sua antiguidade”. A advogada admite ainda que “a transferência deve ser precedida de um pedido de parecer da comissão de trabalhadores, “mas o incumprimento desta obrigação não torna ilícita a transferência, apenas a faz incorrer numa contra ordenação grave”.

Pedro Antunes, advogado coordenador do departamento de Laboral da CCA Ontier, admite que o Governo terá de “voltar atrás com a palavra”, já que essa transferência terá mesmo de ter o parecer prévio dos trabalhadores. “Não acho mesmo que o Estado possa fazer esta deslocalização, tendo em conta o artigo 95º da Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas”, explica o advogado ao ECO. Pedro Antunes diz ainda que se o trabalhador avançar para um auto despedimento, terá de provar que tem “prejuízos sérios” com essa transferência. “E quando digo sérios, são sérios mesmos”. Porém, o advogado faz ainda a ressalva: “o Governo ainda vai a tempo de pedir o parecer ou a consulta aos trabalhadores”.

Também o jornal i avançava – na edição desta quinta-feira [acesso pago] — que a decisão é ilegal, já que de acordo com a Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, Adalberto Campos Fernandes teria de ter pedido, obrigatoriamente, um parecer prévio à comissão de trabalhadores.

Depois de perder a EMA, chega o Infarmed

Na terça-feira, Adalberto Campos Fernandes anunciou que a sede da autoridade nacional do medicamento vai ser mudada de Lisboa para o Porto a partir do dia 1 de janeiro de 2019, de forma faseada e até 2021. O anúncio desta transferência acontece um dia depois da cidade do Porto ter sido afastado da corrida à sede da EMA (Agência Europeia do Medicamento), tendo sido a cidade de Amesterdão a escolhida para o efeito.

A quase totalidade dos funcionários do Infarmed não concorda com a transferência da instituição para o Porto e 92% dizem estar indisponíveis para a mudança, segundo avançou o coordenador da comissão de trabalhadores, Rui Spínola, que falava em conferência de imprensa ontem, em Lisboa. O representante dos trabalhadores avançou que será criado um grupo de trabalho pela tutela para avaliar as implicações da transferência dos trabalhadores do Infarmed para o Porto e, se a conclusão for “não passar a agência (para o norte do país), a decisão volta atrás”.

Os trabalhadores da instituição vão pedir reuniões com o Presidente da República, com o primeiro-ministro e com os grupos parlamentares para analisar esta decisão do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, que classificam de “inesperada e extemporânea”, ressalvando que não se trata de uma tomada de posição contra a cidade do Porto.

Durante o plenário de trabalhadores realizado foi feito uma “sondagem” e, num total de 321 respostas, 312 colaboradores (97%) responderam que não concordam com a decisão de mudança do Infarmed e 291 (92%) responderam que não estão disponíveis para integrar esta transferência.

O que faz o Infarmed?

O Infarmed é um organismo central com jurisdição sobre todo o território nacional que até agora tem funcionado com a sede no Parque da Saúde, em Lisboa.

A missão do Infarmed é “regular e supervisionar os setores dos medicamentos, dispositivos médicos e produtos cosméticos, segundo os mais elevados padrões de proteção da saúde pública, e garantir o acesso dos profissionais da saúde e dos cidadãos a medicamentos, dispositivos médicos, produtos cosméticos, de qualidade, eficazes e seguros”, segundo informação no site do organismo.

Perante um auditório com 275 lugares repleto de funcionários, Rui Spínola listou um conjunto de cinco riscos relacionados com a mudança do Infarmed para o Porto. Entre os riscos apontados está a perda de quadros “altamente experientes”, as dificuldades de coordenação e articulação, assim como as perdas de influência no contexto europeu, de competitividade e de reconhecimento internacional.

A comissão de trabalhadores realçou ainda que, “ao contrário do que foi publicamente referido sobre a maturidade desta intenção política, o plano estratégico do Infarmed para 2017-2019, homologado em 29 de setembro de 2017 pelo ministro da Saúde, não prevê qualquer transferência”.

O Infarmed tem 350 trabalhadores, mais cerca de 100 colaboradores externos que incluem especialistas.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Infarmed. Decisão é legal, mas pode custar muito dinheiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião