Depois de Prada e Armani, Gucci é suspeita de evasão fiscal

  • ECO
  • 4 Dezembro 2017

Escritórios italianos da Gucci foram alvo de buscas pela polícia. Autoridades procuravam provas de que marca de luxo declarou lucros das vendas feitas em Itália na Suiça.

Depois da Prada, Giorgio Armani e Dolce&Gabbanna se terem visto a braços com a regulação fiscal, é agora a vez da Gucci enfrentar a lupa do fiscalizador. A marca de luxo confirmou, esta segunda-feira, que os seus escritórios em Milão e Florença foram alvo de buscas policiais a semana passada. O motivo? Suspeitas de evasão fiscal.

A revista aos espaços da empresa que faz parte do grupo francês Kering tinha sido anunciada este sábado, pelo italiano La Stampa. Segundo o jornal, a polícia passou três dias à procura de provas de que a gigante da moda escolheu declarar os lucros obtidos com as vendas em Itália no regime fiscal suíço (que é mais favorável). A confirmar-se, a Gucci terá assim “poupado” em impostos 1,3 mil milhões de euros, ao longo de vários anos.

“[A companhia] está a cooperar com as autoridades e está confiante na transparência e correção das suas operações”, assinalou a marca de 96 anos, em comunicado citado pelo The Guardian. No terceiro trimestre de 2017, a Gucci registou um crescimento de 49,9% nas suas vendas.

Em 2014, a casa de luxo Prada foi igualmente alvo de suspeitas de evasão fiscal, totalizando uma “poupança” em impostos de 470 milhões de euros. Os líderes da empresa acabaram, nessa ocasião, por acordar o pagamento de 420 milhões de euros. Mais recentemente, a Giorgio Armani também se viu forçada a pagar 270 milhões de euros, no quadro de uma disputa sobre que regime fiscal aplicar às suas subsidiárias estrangeiras. No mesmo ano, os criadores da Dolce&Gabbana foram igualmente acusados de fraude fiscal. O caso entretanto foi fechado, com a retirada das acusações.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois de Prada e Armani, Gucci é suspeita de evasão fiscal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião