Ministro do Luxemburgo: Partidos sobrepuseram-se às competências na eleição de Centeno

  • Juliana Nogueira Santos
  • 4 Dezembro 2017

Para o ministro da Finanças luxemburguês, foram os partidos políticos que ditaram a votação para o Eurogrupo, não "as competências e as qualidades dos candidatos".

Mário Centeno foi eleito presidente do Eurogrupo na segunda ronda de votações. No entanto, para alguns, não é certo que a competência para ocupar o lugar tenha sido o fator decisivo para esta escolha. É o caso de Pierre Gramegna, ministro das Finanças do Luxemburgo.

“É claro que nos últimos dias, na corrida para a presidência do Eurogrupo, os partidos políticos desempenharam um papel maior que as competências e as qualidades dos candidatos”, apontou o ministro. “É assim que funciona. Os dois maiores grupos, o PPE e os socialistas queriam mesmo garantir esta posição e eu tenho de viver com isso”.

"É claro que nos últimos dias, na corrida para a presidência do Eurogrupo, os partidos políticos desempenharam um papel maior que as competências e as qualidades dos candidatos.”

Pierre Gramegna

Ministro das Finanças do Luxemburgo

Em declarações aos jornalistas, citadas pela agência Bloomberg, Gramegna afirmou que “não se pode ganhar sempre na vida, mas acho que conseguimos uma pontuação honrosa”, sendo que, segundo o mesmo, a candidatura luxemburguesa foi a segunda mais votada. “Há muito trabalho a fazer agora, muitas propostas que estão em cima da mesa para fortalecer a Zona Euro e, aqui, o Luxemburgo vai dar o seu contributo.

Através de outros canais de comunicação, os virtuais, a abordagem foi mais protocolar. Nas contas oficiais de Twitter e Facebook do Ministério das Finanças do país foi publicada uma mensagem de congratulações onde se pode ler: “Parabéns a Mário Centeno pela sua eleição como presidente do Eurogrupo. Aguardo com expectativa trabalhar com Centeno para aprofundar a União Monetária e Económica. PG.”

(Notícia atualizada às 17h39 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministro do Luxemburgo: Partidos sobrepuseram-se às competências na eleição de Centeno

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião