“Não pode haver nem descuidos nem aventuras” em Portugal

  • Ana Batalha Oliveira
  • 4 Dezembro 2017

Para o presidente da República, a eleição de Centeno como presidente do Eurogrupo significa um acréscimo de responsabilidade para o país, que não poderá aventurar-se ao nível das finanças públicas.

Confirmada a vitória de Mário Centeno na corrida à presidência do Eurogrupo, Marcelo Rebelo de Sousa falou de um “momento de alegria” para Portugal, mas alertou que isto vai exigir ao país um reforço do rigor da política orçamental.

“É um momento de alegria para todos os portugueses”, começou por referir o Presidente da República em declarações às televisões. Mas deixou o alerta logo de seguida: o objetivo será “contribuir para a Europa mas também termos cá em Portugal uma política financeira firme, consequente, sem desvios nem aventuras“. Tal como já havia sublinhado anteriormente, Marcelo aproveitou para relembrar que “o Ministro das Finanças chega a presidente do Eurogrupo por ser ministro das Finanças de Portugal.”

Para o Presidente da República, o outro lado da moeda desta eleição é a responsabilidade acrescida do país entre os pares do Eurogrupo. “Agora somos ainda mais responsáveis do que anteriormente. Não pode haver nem descuidos nem aventuras em matéria financeira em Portugal“, reforçou.

Quanto aos pontos positivos da eleição de Centeno, Marcelo destacou “o aumento da influência de Portugal na Europa”. A partide de agora, a Europa verá “Portugal com outra consideração”, salientou ainda.

O Presidente da República assinalou as diferenças na visão que a Europa tem do país hoje, em contraste com o que se verificava há dois anos, “quando tinha dúvidas sobre este Governo e a sua política.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Não pode haver nem descuidos nem aventuras” em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião