Portugueses são dos europeus que voam mais em low-cost

  • Juliana Nogueira Santos
  • 5 Dezembro 2017

Os portugueses reservam as viagens oito dias depois da média europeia, mas, para poupar, confiam nas companhia aéreas low-cost.

Os turistas portugueses são os europeus que reservam viagens mais em cima da data de partida, preferindo os voos low-cost. A conclusão é da eDreams ODIGEO, um das maiores agências de viagens online, que anualmente redige o European Traveller Insights, um relatório que analisa os hábitos de viagem dos europeus.

Com os preços a serem um dos fatores que mais peso têm no momento de decidir o destino, a eDreams destaca o aumento dos voos low-cost, mesmo no caso de rotas mais longas, baixando a média de preços de 610 euros em 2016 para 569 euros em 2017. E quem são os que mais aproveitam os preços baixos? Os portugueses, com mais 19% dos passageiros a procurarem rotas low-cost, os italianos (16%) e os alemães (17%).

No que diz respeito ao momento de reserva, os portugueses são os que mais guardam para a última hora. Em média, um europeu reserva voos e hotel com 26 dias de antecedência, no caso de viagens realizadas em janeiro e fevereiro, e com 29 dias para viagens em março. Os portugueses fazem as reservas apenas 21 dias antes do dia da viagem.

Paris é a cidade favorita dos portugueses

Ainda que decidam em cima da hora, os destinos favoritos dos portugueses são Paris e Londres. E se os portugueses são visitantes assíduos das principais capitais europeias, Lisboa e Porto são cada vez mais um ponto de chegada dos europeus. Lisboa foi a 5.ª cidade mais procurada pelos europeus, registando um aumento de 17%. O Porto surge como a 9.ª escolha, com 12% mais procura que no ano passado.

Os Açores são também destacados neste relatório como “uma região que tem visto um grande aumento no turismo”, com as reservas para a Ilha Terceira a avançarem 155% face a 2016, e para Ponta Delgada a aumentarem 61%. “De acordo com o Governo regional, o aumento dos visitantes deve-se aos investimentos no turismo e a introdução de novos voos low-cost de e para os Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Espanha e Portugal”, pode ler-se no relatório.

E em 2018?

Ainda que não ocupem os primeiros lugares nas previsões da agência, há duas cidades que em 2018 poderão ver as reservas a duplicar. É o caso de Ponta Delgada, com a eDreams a prever um aumento de 81% dos passageiros no próximo ano, e o Funchal, que receberá mais 114% de reservas que recebeu este ano.

Os portugueses vão apostar mais nos destinos nacionais, com a procura para o Funchal a avançar 270% em 2017 e para Lisboa a subir 136%. Amesterdão irá receber mais 161% dos portugueses que recebeu este ano, enquanto Nova Iorque receberá mais 146% reservas de portugueses,

Em relação ao tipo de viagens, o casamento entre rotas longas em companhias low-cost ficará ainda mais popular, com a eDreams a apontar os grandes investimentos das companhias aéreas neste tipo de viagens. Ir para São Francisco, Miami ou Los Angeles poderá ficar entre 12% a 19% mais barato.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugueses são dos europeus que voam mais em low-cost

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião