Justiça brasileira devolve à Petrobras milhões de euros desviados em esquemas de corrupção

  • Lusa
  • 7 Dezembro 2017

A Petrobras diz ter cooperado com as autoridades competentes desde o início das investigações, justificando desta forma a recuperação dos 167 milhões de euros desviados em atos de corrupção.

A petrolífera estatal Petrobras, que está no epicentro de um enorme escândalo de corrupção no Brasil, recuperou esta quinta-feira 654 milhões de reais (167,2 milhões de euros) de dinheiro desviado em atos de corrupção desvendados pela operação Lava Jato.

Com esta soma, resultante de acordos de colaboração com os tribunais e pessoas envolvidas em diversos escândalos de corrupção, o total de fundos devolvidos à Petrobras desde 2014 atingiu 1,48 mil milhões de reais (380 milhões de euros), segundo um comunicado da empresa.

A Petrobras coopera com o Ministério Público, a polícia federal, as autoridades fiscais federais e outras autoridades competentes desde o início das investigações, melhorando a aprovação dos seus mecanismos de controlo

Petrobras

“A Petrobras coopera com o Ministério Público, a polícia federal, as autoridades fiscais federais e outras autoridades competentes desde o início das investigações, melhorando a aprovação dos seus mecanismos de controlo”, assegurou a empresa.

A extensa investigação da operação Lava Jato descobriu uma vasta rede de pagamentos de subornos vinculados, em particular, à Petrobras que operaram no Brasil durante mais de dez anos. A Justiça brasileira já denunciou por atos de corrupção dezenas de políticos, incluindo ex-Presidentes da República, governadores, senadores e deputados federais, bem como importantes empresários.

A Petrobras acrescentou no mesmo comunicado que foi “reconhecida pelas autoridades como vítima dos atos desvendados pela Lava Jato” e indicou que “medidas judiciais continuarão a ser tomadas contra empresas e pessoas, incluindo ex-funcionários e políticos, que danificaram suas finanças”

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Justiça brasileira devolve à Petrobras milhões de euros desviados em esquemas de corrupção

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião