Portugal recebeu mais de 28 milhões de turistas internacionais em 2016

Espanha, Reino Unido e França são os principais mercados emissores do turismo português. Portugal não só é destino de primeira escolha para estes turistas, como é destino repetido.

Entre os que ficaram a dormir no país e aqueles passaram por cá sem pernoitar, Portugal recebeu mais de 28 milhões de turistas internacionais no ano passado. Espanha, Reino Unido e França são os três grandes mercados emissores do turismo português, que já responde por 7% da economia nacional.

Os dados foram divulgados, esta quinta-feira, pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), que divide os visitantes não residentes em Portugal em dois grupos: os turistas, que dormiram pelo menos uma noite em Portugal, e os excursionistas, que visitaram Portugal sem dormir no país. Ao todo, Portugal recebeu 18,2 milhões de turistas não residentes no ano passado, aos quais se juntam outros 10,1 milhões de excursionistas. Feitas as contas, foram 28,3 milhões de turistas internacionais que passaram pelo país.

Vieram, sobretudo, por via aérea. Quase metade (47,6%) destes turistas entrou no país por um dos aeroportos nacionais e pouco mais de um quarto (26,8%) dos turistas (sem contar com excursionistas) veio por estrada. E vieram, essencialmente, de três grandes mercados emissores: Espanha, Reino Unido e França, que responderam por mais de dois terços do total de visitantes que entraram em Portugal no ano passado.

Grande parte destas visitas também foi feita por quem tem ascendência portuguesa. “A ascendência portuguesa foi uma característica identificada em 23,4% das entradas de turistas em Portugal, atingindo expressão acentuada no caso da Suíça (69,2%), de França (44,6%), do Brasil (34,5%) e do resto do mundo (40,8%)”, detalha o INE.

Esse peso da ascendência portuguesa nota-se no alojamento. O alojamento privado gratuito e as residências secundárias receberam praticamente metade (49,4%) do total de dormidas registadas no ano passado (144,4 milhões).

Portugal não só é um destino de primeira escolha para estes turistas, como é um destino que repetem. “A opção pela vinda a Portugal foi uma primeira escolha em 16,1 milhões de entradas de turistas” e “parte muito significativa das entradas de turistas em Portugal foram para revisitar”, aponta o INE. Concretamente, 71,3% das entradas foram já uma repetição, sobretudo entre os turistas vindos da Suíça, Espanha e Irlanda.

Turistas deixaram 15,3 mil milhões em Portugal

O gasto médio diário per capita dos turistas não residentes em Portugal foi de 95,7 euros. O valor difere em vários grupos: os que entraram no país por via aérea gastaram uma média de 102,5 euros por dia e os turistas provenientes do Brasil e dos Estados Unidos gastaram, em média, 166,3 euros e 146,1 euros por dia, respetivamente.

Feitas as contas, o INE estima que os turistas não residentes tenham gastado, no ano passado, um total de 15,3 mil milhões de euros em despesas associadas à viagem.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal recebeu mais de 28 milhões de turistas internacionais em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião