Este YouTuber de seis anos fez 11 milhões em 2017. E não é o único

  • Juliana Nogueira Santos
  • 11 Dezembro 2017

No total, os dez criadores de conteúdo mais bem pagos do YouTube terão recebido 127 milhões de dólares, excluindo impostos. As contas são da Forbes.

Ryan tem seis anos e é um dos youtubers mais bem pagos de 2017.Ryan ToysReview/YouTube

Há quem se sente em frente a uma câmara e avalie as mais recentes tecnologias, restaurantes ou até mesmo jogos de computador. Mas este YouTuber que consegue indicar a sua idade apenas com duas mãos avalia o que mais gosta. E está a ganhar milhões com isso.

Ryan tem seis anos e é o protagonista do canal de YouTube Ryan ToysReview e conta com uma plateia de mais de dez milhões de subscritores. Nos seus vídeos, Ryan cumpre os sonhos de qualquer criança da sua idade e experimenta os brinquedos mais recentes e as atividades mais divertidas, tudo com a supervisão dos seus pais, que gerem a carreira desta pequena estrela.

No entanto, desde que, em 2005, a plataforma de vídeo foi criada, as estrelas das visualizações — os YouTubers — têm marcado presença nas manchetes dos jornais não por aquilo que fazem, mas pelo que ganham. Só neste ano de 2017, e segundo contas da revista Forbes, o pequeno Ryan arrecadou 11 milhões de dólares. Mas Ryan ocupa o oitavo lugar da tabela dos YouTubers mais bem pagos do mundo.

No total, os dez criadores de conteúdo mais bem pagos do YouTube terão recebido 127 milhões de dólares, excluindo impostos. Comparando com a lista do ano passado, regista-se um aumento de 80%, sendo que os mais bem pagos de 2016 arrecadaram, no total, 70,5 milhões de dólares.

E ainda que 11 milhões de euros para uma criança de seis anos pareça um valor bastante elevado, o criador que ocupa o primeiro lugar fatura mais 5,5 milhões de euros. Daniel Middleton, ou DanTDM no seu canal, terá faturado 16,5 milhões de dólares, com uma plateia de 16,9 milhões de subscritores. Dan TDM é especialista em gaming, mais propriamente num jogo que atraí a atenção de miúdos e graúdos, o Minecraft.

Veja abaixo a lista completa dos YouTubers mais bem pagos deste ano:

Dez YouTubers mais bem pagos de 2017

  1. Daniel Middleton (DanTDM): 16,5 milhões de dólares (16,9 milhões de subscritores)
  2. Evan Fong (VanossGaming): 15,5 milhões de dólares (21,8 milhões de subscritores)
  3. Dude Perfect: 14 milhões de dólares (24,6 milhões de subscritores)
  4. Logan Paul: 12,5 milhões de dólares (14,3 milhões de subscritores)
  5. Mark Fischbach (Markiplier): 12,5 milhões de dólares (18,8 milhões de subscritores)
  6. Felix Kjellberg (PewDiePie): 12 milhões de dólares (58,3 milhões de subscritores)
  7. Jake Paul: 11,5 milhões de dólares (12,3 milhões de subscritores)
  8. Smosh: 11 milhões de dólares (22,7 milhões de subscritores)
  9. Ryan ToysReview: 11 milhões de dólares (10,1 milhões de subscritores)
  10. Lilly Singh: 10,5 milhões de dólares (12,7 milhões de subscritores)

(Fonte: Forbes)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este YouTuber de seis anos fez 11 milhões em 2017. E não é o único

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião