Sócrates coloca vídeo no Youtube para se defender sobre “o embuste da PT”

  • Lusa e ECO
  • 1 Setembro 2017

O antigo primeiro-ministro José Sócrates colocou no 'Youtube' um vídeo onde, em cinco pontos, se defende "do último embuste que o Ministério Público pretendeu criar a propósito da PT".

O antigo primeiro-ministro José Sócrates colocou no ‘Youtube’ um video onde, em cinco pontos, se defende “do último embuste que o Ministério Público pretendeu criar a propósito da PT”.

No vídeo, que dura mais de 11 minutos, Sócrates diz que “decidiu gravar estes pequenos vídeos em legítima defesa; em legítima defesa do último embuste que o Ministério Público pretendeu criar a propósito da PT”.

Contactado pela Lusa, o advogado do antigo líder socialista confirma a veracidade e atualidade do vídeo e explica que, “como existe uma certa falta de vontade em ouvi-lo, ele faz-se ouvir”.

Questionado sobre os próximos passos, João Araújo diz que “é de esperar que surjam mais coisas”, mas não diz quais nem em que formato.

No vídeo, Sócrates aparece de camisa e gravata, com uma estante de livros atrás, uma parte de um monitor de computador ao lado e durante a sua intervenção aparecem várias infografias que acompanham a intervenção.

“No fundo, a ideia sugerida é a de que o meu governo teria tido uma atuação desonesta de favorecimento dos acionistas da empresa; acontece que isto é absolutamente falso, e desejo demonstrá-lo, não com base em especulações, mas com base em factos, documentos e números”, diz o antigo primeiro-ministro no início do vídeo.

Os cinco capítulos de Sócrates

Dividido em cinco capítulos, sobre o fim do monopólio da PT, a OPA da sonae, o voto da CGD, o veto à venda da Vivo e a parceria com a Oi, o vídeo termina com José Sócrates a dizer que “os factos resistem, são eles que constroem a verdade material, e nenhuma justiça se pode alcançar com base na falsificação histórica”.

Esta iniciativa de Sócrates surge poucos dias depois de ser anunciado que a decisão do Ministério Público sobre o inquérito ‘Operação Marquês’, cujo principal arguido é José Sócrates, deverá ser conhecida até 20 de novembro, após os procuradores terem recebido a última carta rogatória no dia 22 deste mês.

Numa resposta enviada à agência Lusa esta semana, a Procuradoria-Geral da República adianta que a última carta rogatória, solicitada às autoridades suíças, “foi junta aos autos no dia 22 de agosto”, data a partir da qual será contado o prazo máximo de três meses para a conclusão do inquérito.

Quanto à contagem do prazo para o despacho final do inquérito, a PGR remete para uma informação prestada em abril, onde é dito que “a procuradora-geral da República decidiu prorrogar por três meses, contados da data da devolução e junção ao inquérito da última carta rogatória a ser devolvida, o prazo para encerramento do inquérito”.

A notícia sobre a devolução da carta e do prazo para o final do inquérito foi avançada pela SIC Notícias.

O antigo primeiro-ministro José Sócrates está indiciado por fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sócrates coloca vídeo no Youtube para se defender sobre “o embuste da PT”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião