Ninguém para Wall Street: há seis dias ininterruptos a subir

Os mercados norte-americanos estão numa onda de otimismo, mesmo com as ameaças da Coreia do Norte, da tempestade Harvey e da instabilidade politica interna. Os números da economia têm ajudado.

Wall Street soma e segue pela sexta sessão consecutiva. Esta sexta-feira os números sobre o emprego desiludiram os investidores, mas os dados sobre a confiança dos consumidores e da produção industrial compensaram pela positiva. Além disso, a revisão em alta do PIB do segundo trimestre, mostrando uma aceleração da economia, contribuiu para o otimismo dos investidores.

Os principais índices fecharam em terreno positivo, acompanhando a tendência favorável da Europa. O Dow Jones subiu 0,18% esta sexta-feira para os 21.987,56 pontos. Já o S&P 500 valorizou 0,2% para os 2.476,55 pontos, seguindo-se o Nasdaq com uma subida de 0,1% para os 6.435,33 pontos.

O relatório [do emprego] foi marginalmente desapontante para aqueles que estavam à espera de uma subida maior, mas não esteve assim tão longe das nossas expectativas“, afirma o economista-chefe do Citigroup, Andrew Hollenhorst, assinalando que espera que tanto os mercados como a Fed mantenham a postura de “esperar para ver”. As atenções estão viradas para a inflação e para as políticas fiscais de Donald Trump.

Além disso, os números da produção industrial foram positivos. Em agosto, as fábricas norte-americanas aceleraram a sua expansão para o maior ritmo em seis anos, graças a uma maior força de trabalho. Acresce que a confiança dos consumidores subiu para um máximo de três meses, melhorando as perspetivas das famílias sobre a economia, de acordo com um relatório da Universidade de Michigan.

Ao contrário do esperado, o crescimento do emprego nos Estados Unidos desacelerou, depois de dois meses de forte criação de postos de trabalho. Ainda assim, continua a ser criado mais emprego nos EUA o que, em conjunto com a revisão em alta do PIB, dá razões à Reserva Federal para continuar a retirada dos estímulos da economia.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ninguém para Wall Street: há seis dias ininterruptos a subir

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião