ONU: Angola sai da recessão de 0,7% de 2016 e cresce 1,9% este ano

  • Lusa
  • 11 Dezembro 2017

ONU afirma que Angola recuperou da recessão económica de 0,7% de 2016, acreditando que vá subir quase 3% até 2019. Prevê ainda que inflação desça de 41,2% no ano passado para 28% este ano.

Angola já recuperou da recessão económica de 0,7%, em 2016, e vai crescer 1,9% este ano e 2,7% até 2019, de acordo com o relatório das Nações Unidas sobre a Situação Mundial e Perspetivas Económicas (WESP).

O relatório elaborado pelo departamento de Assuntos Económicos e Sociais da ONU, a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD) e as cinco comissões regionais afirma que o crescimento angolano será sustentado “no aumento da atividade industrial e na melhoria da oferta de energia”.

O crescimento angolano este ano é, ainda assim, bastante inferior à média entre 2009 e 2016, que registou um valor de 3,5%, e ainda mais abaixo de 2012 e 2013, anos em que a economia de um dos maiores produtores de petróleo da África subsariana cresceu 8,5% e 5,0%, respetivamente. Registando que as eleições de agosto “decorreram de forma geralmente pacífica”, os peritos das Nações Unidas sustentam que a inflação está a diminuir, “apesar de se manter alta, devido a pressões sobre a moeda externa e taxas de câmbio paralelas desvalorizadas”.

A ONU prevê uma descida da inflação, de 41,2% no ano passado, para 28% este ano e nova redução nos dois anos seguintes, para 19,4% e 16,7%, respetivamente. “A perspetiva de evolução para África permanece sujeita a vários riscos” internos e externos, nota o documento lançado esta segunda-feira em Nova Iorque, nomeadamente na vertente financeira.

“Do ponto de vista externo, um aumento superior ao esperado nas taxas de juro globais ou um aumento nos juros dos títulos de dívida soberanos pode diminuir o acesso ao financiamento, que se tornou nos últimos anos uma fonte cada vez mais importante para o investimento nacional, e colocar em perigo a sustentabilidade da dívida”, lê-se no texto.

A descida dos ratings, das exportações ou uma inversão do crescimento dos preços das matérias-primas são alguns dos fatores que podem fazer diminuir o Investimento Direto Estrangeiro e as remessas dos emigrantes, o que pode ameaçar o fôlego da retoma, notam os analistas das Nações Unidas. Internamente, concluem, os maiores riscos para os países africanos, que deverão crescer 3,5% e 3,7% nos próximos dois anos, estão na ausência de políticas de ajustamento aos preços mais baixos das matérias-primas.

Esta falta de políticas, notam, “pode por em causa a estabilidade macroeconómica e a tendência de crescimento em muitos países“, que enfrentam também a possível escalada de violência por causa de ameaças à segurança, “especialmente na região do Sahel e na Somália, e instabilidade política em vésperas de eleições no Egito, Nigéria e África do Sul”.

O relatório das Nações Unidas defende, a nível global, que o crescimento de 3%, o mais alto desde 2011, deve fazer os decisores políticos apostarem em temas de longo prazo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ONU: Angola sai da recessão de 0,7% de 2016 e cresce 1,9% este ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião