Hedge funds ganham mais de 1.500% com as moedas digitais

Os hedge funds que investem em moedas virtuais apresentam retornos superiores a 1.500% este ano. Os restantes não vão além dos 7,5%.

As criptomoedas continuam a dar que falar, desta vez nos hedge funds. Estes fundos, diferentes dos tradicionais, registam retornos superiores a 1.500% até novembro deste ano, à boleia das moedas virtuais, conseguindo uma vantagem substancial face às restantes estratégias de investimento.

Os hedge funds, ou fundos de cobertura, constituem uma forma de investimento alternativa aos fundos tradicionais, nomeadamente nos graus de risco variados e nas poucas restrições. O objetivo de investir em hedge funds passa por reduzir os riscos do mercado, permitindo ao investidor lucrar, independentemente da situação atual do mercado.

No último balanço feito pelo Financial Times (acesso condicionado), os hedge funds que negoceiam criptomoedas tiveram um retorno de 1.640% até novembro deste ano, batendo qualquer outro tipo de estratégia apresentado por estes fundos.

Por sua vez, os hedge funds que investem em moedas virtuais ou blockchain apresentaram retornos de 1.522%, de acordo com a Hedge Fund Research (HFR), que anunciou esta quarta-feira o lançamento de novos índices para refletir “o crescimento explosivo do interesse dos investidores” neste tipo de estratégia. Em comparação, os hedge funds que adotam outras estratégias conseguem um retorno de apenas 7,5% este ano.

Só no último mês, a bitcoin mais que duplicou de valor, ao passar dos 7.074 dólares a 7 de novembro para os 16.320 deste dia 7 de dezembro. Na passada sexta-feira, voltou a tocar um novo máximo ao superar a fasquia dos 17 mil dólares.

O interesse dos investidores em recursos que oferecem uma exposição a tecnologias blockchain e criptomoedas aumentou nos últimos meses, uma vez que essas inovações continuam a ganhar popularidade”, diz Kenneth Heinz, presidente do HFR.

No entanto, ainda que o desempenho recente deste tipo de estratégia seja aliciante, os investidores devem manter-se alerta. É que estes investimentos apresentam “elevada volatilidade e riscos, tanto reais como estruturais“, acrescentou ao FT. Tidjane Thiam, CEO do Credit Suisse, diz que “o único motivo, hoje, para comprar ou vender bitcoin é ganhar dinheiro”.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hedge funds ganham mais de 1.500% com as moedas digitais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião