Revista de imprensa internacional

  • ECO
  • 15 Dezembro 2017

Os ataques a Kim não param de se multiplicar: Trump e Putin unem-se contra Coreia do Norte e Japão impõe novas sanções a Pyongyang. A neutralidade da Internet está por um fio e há salários em Bitcoin.

É o fim da “neutralidade da Internet”? Nos Estados Unidos, os especialistas, que apontaram Portugal como um exemplo de universo digital sem barreiras ao domínio das empresas de telecomunicações, vão agora sentir na pele a ausência real dessa proteção. Enquanto isso, Donald Trump faz chamadas telefónicas à noite a Vladimir Putin, estendendo ramos de oliveira, agradecimentos e uma improvável aliança contra Kim Jong-Un. Também o Japão pressiona a Coreia do Norte e, pelo caminho, revoluciona o sistema remuneratório dos trabalhadores, entregando-lhes a criptomoeda de que todos falam ultimamente.

The Guardian

É o fim da neutralidade da Internet, determina regulador americano

Apesar dos protestos, o regulador norte-americano aprovou a eliminação das regras que protegiam a “neutralidade da Internet”. Em Washington, os membros da Comissão das Comunicações Federais acordaram acabar com as barreiras que impediam que os fornecedores de acesso à Internet (ISPs) cobrassem mais a certos sites ou bloqueassem outros que competissem com os seus serviços. Os críticos consideram que este é o primeiro passo para que o universo digital seja dominado pela companhias de telecomunicações.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre / conteúdo em inglês).

Business Insider

Empresa japonesa paga salários… em Bitcoin

No próximo ano, os funcionários do japonês GMO Internet Group vão poder passar a receber os seus salários em Bitcoin. O fornecedor de acesso à Internet vai dar a opção aos seus colaboradores de receberem entre 10 mil e 100 mil ienes (entre 75 e 751 euros), nesta criptomoeda. Aqueles que decidirem aderir a esta novidade receberão ainda um aumento de 10% no seu salário. Mais de quatro mil trabalhadores terão acesso a esta oferta.

Leia a notícia completa no Business Insider (acesso livre / conteúdo em inglês).

Independent

Trump e Putin juntos contra Kim

Donald Trump e Vladimir Putin falaram ao telefone. Kim Jong-Un e a ameaça que constitui a Coreia do Norte foi um dos principais temas desta conversa improvável. De acordo com a Casa Branca e com o Kremlin, os líderes norte-americano e russo discutiram a possibilidade de trabalharem juntos para “resolver a situação”. O Presidente dos Estados Unidos terá, além disso, agradecido a Putin pelo reconhecimento do “forte desempenho económico” norte-americano, durante a sua conferência de imprensa anual.

Leia a notícia completa no Independent (acesso livre / conteúdo em inglês).

Financial Times

Migração divide líderes europeus

A política migratória continua a ser um dos temas que mais divide opiniões entre os líderes da União Europeia. Na cimeira que se estendeu à madrugada desta sexta-feira, a discussão sobre os planos para a gestão da próxima crise migratória tornaram evidente essa separação. As conversações em Bruxelas foram demoradas e poucos consensos geraram, com múltiplos países (nomeadamente a Alemanha) a contestarem a proposta de que as quotas para refugiados devem ser gradualmente eliminadas.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado / conteúdo em inglês).

BBC News

Japão aprova novas sanções contra Coreia do Norte

Face aos testes nucleares norte-coreanos, o Japão acaba de impor mais sanções a Pyongyang. Um representante japonês confirmou que os ativos de mais 19 entidades e indivíduos serão congelados. Na lista negra, estão bancos, comerciantes de carvão e minerais e empresas de transportes. As novas sanções foram aprovadas pouco antes da reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas, que acontecerá esta sexta-feira.

Leia a notícia completa na BBC News (acesso livre / conteúdo em inglês).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião