Santana Lopes diz que governação do país “precisa de ser reinventada”

  • Lusa
  • 15 Dezembro 2017

Candidato à liderança do PSD assume-se como "contra-corrente" em relação a uma ortodoxia que se foca em demasia na consolidação orçamental. Santana reforçou também importância da inovação.

O candidato à liderança do PSD Pedro Santana Lopes afirmou esta sexta-feira, na Figueira da Foz, que a governação do país “precisa de ser reinventada” e assumiu-se “contra corrente” ao pensamento dominante e a uma certa ortodoxia financeira.

“Há muita maneira de gerir a coisa pública, de governar, que precisa de ser reinventada e é isso que eu quero fazer, é para isso que me candidatei, não me candidatei para gerir o que existe“, disse Pedro Santana Lopes aos jornalistas, à margem de uma sessão de esclarecimento da sua candidatura.

Em declarações precisamente 20 anos depois do dia em que venceu as eleições autárquicas na Figueira da Foz e no mesmo hotel onde celebrou a vitória em 1997, o antigo autarca e ex-primeiro-ministro lembrou essa “memória impressiva”: “Como calcula, 20 anos são 20 anos, há muitas músicas e letras sobre os 20 anos”, frisou Santana Lopes, lembrando uma campanha “extraordinária” e uma experiência “fantástica”.

Recordou que na altura, antes da campanha eleitoral, conhecia “muito pouco” da cidade e que, depois de estudar o concelho e o trabalhar, imprimiu uma gestão autárquica “contra corrente”, a mesma que agora admite definir a sua candidatura e querer para o país.

“Será contra corrente em relação a um certo pensamento dominante, uma certa ortodoxia. Que, por exemplo, em matéria de política financeira, se preocupa mais com a consolidação orçamental, olhando só para o lado do controlo da despesa e não tanto com a expansão da receita, com a criação de riqueza”, declarou.

Santana Lopes considerou que “é contra corrente uma certa estagnação de pensamento, de um centralismo bacoco em Lisboa que não olha para a generalidade do território”, referiu. “E talvez também seja contra corrente por eu puxar muito pelas políticas sociais, área que conheço bem, que são temas quase ausentes da agenda política, infelizmente”, acrescentou Santana Lopes.

O candidato à liderança do PSD defendeu a importância da inovação e da investigação e a necessidade de Portugal “puxar” para o seu território empresas, investigadores e pessoas “que possam trazer valor acrescentado”. “Quero que Portugal seja a nova Finlândia, a Finlândia que já foi o símbolo da inovação e da investigação”, disse Santana Lopes.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santana Lopes diz que governação do país “precisa de ser reinventada”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião