Regulador francês impõe multa recorde a Amazon

  • ECO
  • 18 Dezembro 2017

Ministro da Economia apresentou queixa contra a Amazon por abuso dos fornecedores com cláusulas contratuais unilaterais e, portanto, desequilibradas. Multa pode chegar aos 10 milhões de euros.

Mesmo que seja caracterizado por um empenho sem igual na promoção da indústria tecnológica, até o Governo de Macron impõe limites a essas empresas. O ministro da economia francês acaba de apresentar queixa contra a Amazon por abuso dos seus fornecedores com cláusulas contratuais unilaterais. A gigante norte-americana enfrenta agora uma multa recorde, que pode chegar aos 10 milhões de euros, avança o Le Parisien.

“É um ato forte e sem precedentes”, explica uma fonte do ministério liderado por Bruno Le Maire, ao jornal francês. “A plataforma impõe uma relação desequilibrada aos seus fornecedores, [que os pode] empurrar para a bancarrota”, acrescenta o mesmo representante.

Entre as condições consideradas “desajustadas” estão a atribuição de completa responsabilidade por eventuais embalagens danificadas, problemas com as entregas e prazos incumpridos a esses parceiros comerciais. Além disso, a Amazon pode expulsar, a qualquer momento, um fornecedor que não cumpra os seus termos, bem como mudar sem aviso o contrato — exigindo, por exemplo, processos de entrega mais céleres — ou suspender um revendedor.

Nos últimos dois anos, o regulador francês tem mantido múltiplos portais de comércio eletrónico debaixo de olho, investigando as cláusulas contratuais que impõem aos seus parceiros e entrevistando mais de 10 mil fornecedores sediados em França. A Amazon é plataforma deste género mais popular, nesse país, com 3,5 milhões de utilizadores diários.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador francês impõe multa recorde a Amazon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião