Regulador francês impõe multa recorde a Amazon

  • ECO
  • 18 Dezembro 2017

Ministro da Economia apresentou queixa contra a Amazon por abuso dos fornecedores com cláusulas contratuais unilaterais e, portanto, desequilibradas. Multa pode chegar aos 10 milhões de euros.

Mesmo que seja caracterizado por um empenho sem igual na promoção da indústria tecnológica, até o Governo de Macron impõe limites a essas empresas. O ministro da economia francês acaba de apresentar queixa contra a Amazon por abuso dos seus fornecedores com cláusulas contratuais unilaterais. A gigante norte-americana enfrenta agora uma multa recorde, que pode chegar aos 10 milhões de euros, avança o Le Parisien.

“É um ato forte e sem precedentes”, explica uma fonte do ministério liderado por Bruno Le Maire, ao jornal francês. “A plataforma impõe uma relação desequilibrada aos seus fornecedores, [que os pode] empurrar para a bancarrota”, acrescenta o mesmo representante.

Entre as condições consideradas “desajustadas” estão a atribuição de completa responsabilidade por eventuais embalagens danificadas, problemas com as entregas e prazos incumpridos a esses parceiros comerciais. Além disso, a Amazon pode expulsar, a qualquer momento, um fornecedor que não cumpra os seus termos, bem como mudar sem aviso o contrato — exigindo, por exemplo, processos de entrega mais céleres — ou suspender um revendedor.

Nos últimos dois anos, o regulador francês tem mantido múltiplos portais de comércio eletrónico debaixo de olho, investigando as cláusulas contratuais que impõem aos seus parceiros e entrevistando mais de 10 mil fornecedores sediados em França. A Amazon é plataforma deste género mais popular, nesse país, com 3,5 milhões de utilizadores diários.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Regulador francês impõe multa recorde a Amazon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião