E o título de empresa mais inovadora em 2017 vai para… a Amazon

  • ECO
  • 13 Dezembro 2017

A multinacional de retalho destrona assim a liderança da Volkwagen, que durava desde 2012. A Pharol é a única entidade portuguesa a figurar a lista internacional.

A Amazon é a empresa mais inovadora de 2017. Quem o diz é a consultora PwC no estudo 2017 Global Innovation 1000. A gigante de retalho internacional ultrapassou a Volkwagen, numa lista anual publicada desde 2005 que reúne as 1.000 empresas que mais investiram em Investigação e Desenvolvimento (I&D).

De acordo com o estudo, a Amazon gastou 16,1 mil milhões de dólares em I&D, um valor acima dos 12,1 mil milhões gastos na mesma área pela empresa automóvel alemã, que este ano desce para a quinta posição. No ano passado os gastos da Amazon em I&D foram de 12,5 mil milhões de dólares.

O topo da tabela é completado pela Alphabet, que investiu 13,9 mil milhões de dólares em I&D, seguindo-se a Intel e a Samsung, que gastaram 12,7 mil milhões cada. A Pharol é a única empresa portuguesa na lista. Surge em 881º lugar, com um investimento de um milhão.

As 10 empresas mais inovadoras de 2017, segundo a PwC (em milhares de milhões de dólares)

  1. Amazon.com, Inc. – 16.1
  2. Alphabet Inc. – 13.9
  3. Intel Corporation – 12.7
  4. Samsung Electronics Co., Ltd. – 12.7
  5. Volkswagen Aktiengesellschaft – 12.1
  6. Microsoft Corporation – 12
  7. Roche Holding AG – 11.4
  8. Merk & Co., Inc – 10.1
  9. Apple Inc – 10
  10. Novartis AG – 9.6

Segundo o inquérito a 562 líderes de empresas de todo o mundo incluído no mesmo estudo, 52% afirmam que o nacionalismo económico terá um impacto moderado a significativo nos seus investimentos em I&D. Esse nacionalismo económico poderá, contudo, levar a perdas de eficiência nas empresas.

Alemanha, França e Canadá seriam os países que mais beneficiariam se as políticas de protecionismo se tornassem uma realidade de longo prazo. Estados Unidos, China e Reino Unido são os países mais vulneráveis, caso potenciais alterações políticas tragam um impacto sobre os investimentos em I&D.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E o título de empresa mais inovadora em 2017 vai para… a Amazon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião