Parlamento britânico investiga condições de trabalho na Ryanair

  • ECO
  • 20 Dezembro 2017

Duas comissões do Parlamento britânico colocaram a Ryanair sob a sua luta, já que vários trabalhadores dizem ser mal-pagos e encarregados indevidamente por diversas taxas.

Depois da Ryanair ter reconhecido os sindicatos que representam os pilotos para evitar paralisações poucos dias antes do Natal, há um novo desenvolvimento na novela de dilemas que esta transportadora enfrenta. Duas comissões do Parlamento britânico (uma focada no trabalho e nas pensões e outra centrada nos negócios) anunciaram, esta quarta-feira, que vão investigar a companhia irlandesa. Em causa estão as condições de trabalho garantidas pela companhia aérea.

Rachel Reeves, líder da segunda comissão referida, acusa mesmo a Ryanair de tentar “escapar ao dever de pagar o salário mínimo”, avança o The Guardian. Além de mal pagos, alguns trabalhadores alegaram terem sido obrigados a suportar os custos dos seus uniformes (cerca de 25 libras por mês, isto é, 28 euros) e as taxas administrativas implicadas na sua eventual saída antes de terem acumulado 15 meses de trabalho na empresa.

“Infelizmente, não me surpreenderia se o quadro triste que foi traçado for verdadeiro”, sublinhou Frank Field, presidente da comissão parlamentar focada no trabalho e nas pensões. Reeves e Field enviaram uma carta a Michael O’Leary, líder da transportadora de baixo custo, com todos os detalhes das acusações. “A Ryanair precisa agora de dar respostas acerca das taxas e despesas deixadas a cargo do pessoal de cabine”, conclui Reeves.

Este domingo, os pilotos portugueses da empresa irlandesa desconvocaram a greve que tinham marcada para dia 20 de dezembro, na sequência do reconhecimento dos sindicatos pela transportadora e da sua abertura ao diálogo. Estavam também previstas paralisações em Itália e na Irlanda, que acabaram, do mesmo modo, por não acontecer. Esta decisão da Ryanair acabou com a velha política de não reconhecimento de associações de trabalhadores, tendo sido substituída pela exigência de criação de comissões particularmente focadas na relação com esta empresa dentro dos próprios sindicatos.

Na origem destas tensões está um erro no agendamento das suas férias, que acabou por significar o cancelamento de 20 mil voos, em toda a Europa. Desde então, os pilotos têm exigido aumentos salariais, mais formação, seguro de saúde e benefícios como alojamento e transportes em terra ou uniformes pagos pela empresa.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento britânico investiga condições de trabalho na Ryanair

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião