Pilotos da Ryanair em Portugal suspendem greve de quarta-feira

  • Lusa
  • 18 Dezembro 2017

A Ryanair passou a reconhecer os sindicatos e, em troca, os pilotos já não vão fazer greve na época alta.

Os pilotos da companhia aérea Ryanair decidiram suspender a greve agendada para o dia 20 de dezembro, anunciou o Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil em comunicado divulgado este domingo.

“O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) informa que a greve dos pilotos da Ryanair em Portugal prevista para o dia 20 de dezembro foi suspensa. A decisão da Ryanair em reconhecer o SPAC como a organização representativa dos seus pilotos em Portugal e o seu compromisso em iniciar negociações com o objetivo de estabelecer um acordo de empresa levaram à tomada desta decisão”, lê-se no comunicado.

A companhia aérea de baixo custo irlandesa demonstrou, na sexta-feira, 15 de dezembro, disponibilidade para negociar com os sindicatos de pilotos, sendo a primeira vez que os reconheceu como interlocutores no diálogo com a empresa. O objetivo da Ryanair é o de evitar a greve em período de Natal, agendada para vários países europeus, incluindo Portugal.

Em comunicado, divulgado na sexta-feira, o administrador Michael O’Leary indicou que enviou cartas para explicar a decisão aos grupos de pilotos em Portugal, Espanha, Alemanha, Itália, Reino Unido e Irlanda, convidando-os a dialogar com a empresa. “A Ryanair vai mudar a antiga política de não reconhecer os sindicatos para evitar ameaças de transtorno para os clientes durante a semana do Natal”, assinala.

A carta, enviada no dia em que os pilotos da companhia em Itália deviam paralisar, conseguiu levar à desconvocação da greve de quatro horas. Um grupo de pilotos em Portugal e na Irlanda convocaram uma greve de 24 horas para a próxima quarta-feira, dia 20 de dezembro, sendo que a paralisação em Portugal foi já suspensa. Pilotos de Espanha e Alemanha também votaram a favor de outras “ações de força” apesar de não terem divulgado detalhes sobre as formas de luta que pretendem adotar além da greve.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pilotos da Ryanair em Portugal suspendem greve de quarta-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião