Operadoras de telecomunicações mantêm preços em 2018. A exceção é a Meo

  • Lusa
  • 20 Dezembro 2017

No próximo ano, Vodafone, Nowo, NOS mantêm os preços. A Meo é a única a abrir uma exceção e diz que vai alterar “alguns tarifários móveis pós-pagos”.

As operadores de telecomunicações Vodafone, Nowo, NOS vão manter no próximo ano os preços cobrados, assim como a Meo, que não altera os valores para os serviços fixos, mas atualiza “alguns tarifários móveis pós-pagos”, informaram hoje estas empresas.

Em resposta escrita enviada à agência Lusa, a Altice/PT informa que, “a partir de 1 de fevereiro de 2018, apenas alguns tarifários móveis pós-pagos serão atualizados, sendo que não há qualquer alteração de preços de serviços fixos Meo – TV, internet e telefone fixo, convergentes e não convergentes”.

Por seu lado, a Vodafone indica que, “à data, não está prevista qualquer atualização de preços” no próximo ano, assim como a Nowo (antiga Cabovisão), que também não estima qualquer mudança. Mais precisa, a NOS assegura à Lusa que “não vai efetuar aumentos” em 2018.

Na resposta enviada à Lusa, a Altice/PT dá ainda conta de que, a partir de janeiro do próximo ano, “existirá um aumento de ‘plafond’ para os clientes pós-pagos, que passarão a ter o dobro dos minutos e dos SMS inerentes ao seu tarifário” para serem usados a nível nacional ou em ‘roaming’.

Esta operadora assinala que, este ano, “não houve qualquer atualização de preços Meo, apesar do efeito acumulado de sensivelmente 3% de aumento de inflação entre 2017 e 2018”. Também neste ano, a alteração das tarifas de roaming na União Europeia “não se fez sentir” nos preços da companhia, adianta.

Tal como a Meo, a Vodafone e a Nos não aumentaram, em 2017, os preços cobrados. Já a Nowo, “optou por apenas aumentar os preços em janeiro [deste ano], numa média total de 5%”, mas que variou “consoante a tipologia do serviço subscrito”, explicou à Lusa em dezembro do ano passado o presidente executivo desta operadora, Miguel Veiga Martins.

O responsável justificou o acréscimo com o facto de a operadora “querer manter a qualidade dos serviços que disponibiliza aos seus clientes, mas também para respeitar o acordo de partilha de direitos televisivos do futebol, celebrado em julho [de 2016], com outras operadoras”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Operadoras de telecomunicações mantêm preços em 2018. A exceção é a Meo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião