Santana Lopes: “Nunca aceitarei uma solução do bloco central”

  • ECO
  • 24 Dezembro 2017

O candidato à presidência do PSD diz querer conquistar a "legitimidade, desta vez direta, e não por passagem de testemunho", para governar o país.

Pedro Santana Lopes vê em Rui Rio um adversário “muito exagerado” e “muito radical”. Mas vê também um candidato à liderança do PPD-PSD que assume uma “cumplicidade” e uma “posição equívoca” na relação com a esquerda. Essa, garante, é uma relação que nunca terá. “Nunca aceitarei uma relação do bloco central“, afirma, em entrevista ao Jornal de Notícias, publicada este domingo.

Na entrevista ao JN, o antigo primeiro-ministro e também ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa explica que se candidata para legitimar o seu percurso político. “Candidato-me porque quero ir buscar ao país, e ao partido primeiro, a legitimidade, desta vez direta, e não por passagem de testemunho como aconteceu em 2004, para fazer no país aquilo com que sonho há muito tempo”. Recorde-se que Santana Lopes foi nomeado primeiro-ministro em 2004, pelo então Presidente da República, Jorge Sampaio, depois de Durão Barroso ter apresentado demissão para chefiar a Comissão Europeia.

"Candidato-me porque quero ir buscar ao país, e ao partido primeiro, a legitimidade, desta vez direta, e não por passagem de testemunho como aconteceu em 2004, para fazer no país aquilo com que sonho há muito tempo.”

Pedro Santana Lopes

Candidato à presidência do PPD-PSD

Santana Lopes sublinha, ainda assim, que só se candidata à presidência do PSD porque Pedro Passos Coelho já abandonou este cargo. “Não entrava nesta corrida se Passos Coelho continuasse a ser presidente do partido, ao contrário de Rui Rio, que diz que mesmo que Passos Coelho fosse presidente do partido, candidatava-se. Logo aqui há uma diferença enorme”.

Sobre o projeto que tem para o partido, explica que quer um PSD “iminentemente popular, próximo das pessoas, de matriz social-democrata e preparador, nesta fase da vida de Portugal, de uma alternativa coerente e determinada ao governo da frente de esquerda”. E aproveita para lançar mais crítica ao seu opositor: “[Rui Rio] tem uma proximidade da esquerda, uma cumplicidade e uma posição equívoca que eu não tenho. Eu nunca aceitarei uma solução do bloco central“, frisa.

Quanto a Rio, diz ainda que é “muito exagerado, muito radical no que diz”, lembrando o momento em que o ex-presidente da Câmara do Porto considerou que o modelo de debates entre os dois candidatos, proposto por Santana Lopes, era um “circo ambulante”.

"[Rui Rio] tem uma proximidade da esquerda, uma cumplicidade e uma posição equívoca que eu não tenho. Eu nunca aceitarei uma solução do bloco central.”

Pedro Santana Lopes

Candidato à presidência do PPD-PSD

Por outro lado, critica, Rui Rio não tem o perfil certo para liderar o PSD porque não gosta de exposição mediática. “O líder do PPD-PSD tem de ser alguém com capacidade de adaptação e de disputa, neste tempo que se vive do nosso sistema político. Marcelo Rebelo de Sousa, só por ele, toma conta do tempo de comunicação todo, sobra pouco. Mais António Costa. Se o PPD-PSD tem um líder mais fechado em gabinete e que não gosta dessas situações… Não vou dizer, como Rui Rio, que o partido corre o risco de desaparecer, mas não seria bom para o partido”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santana Lopes: “Nunca aceitarei uma solução do bloco central”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião