Reino Unido: Brexit fará subir preços a retalho

  • Lusa
  • 26 Dezembro 2017

A conselheira-delegada do consórcio britânico advertiu que o custo dos produtos de consumo diário aumentarão logo que se concretize a saída do Reino Unido da União Europeia.

Os consumidores do Reino Unido vão enfrentar uma subida dos preços depois do Brexit caso o país não faça novos acordos comerciais idênticos aos negociados entre a União Europeia e os países terceiros, advertiu esta terça-feira o consórcio britânico de Comércio Retalhista.

A conselheira-delegada do consórcio britânico (BRC), Helen Dickinson, advertiu, numa entrevista à emissora britânica BBC Radio 4, que o custo dos produtos de consumo diário, nomeadamente a alimentação e o vestuário, aumentarão logo que se concretize a saída do Reino Unido da União Europeia, uma vez que este país perderá os acordos preferenciais que possui com os países-membros do bloco comunitário.

Uma diretiva comunitária estabelece ainda que o Reino Unido beneficia de taxas alfandegárias nulas ou taxas alfandegárias baixas sobre as importações devido aos acordos de comércio preferencial estabelecidos entre a União Europeia e 73 países fora do bloco comunitário. Estes acordos terminarão no momento em que este país perder o vínculo com os 27 Estados-membros da União Europeia.

"O que é importante, desde agora até 2019, é prosseguir com trabalho que o Reino Unido tem entre mãos, isto é, centrar-se em assinar novos acordos preferenciais idênticos aos atualmente existentes.”

Helen Dickinson

Conselheira-delegada do consórcio britânico

“A 29 de março de 2019 ficaremos fora de todos os acordos. A partir de então, esses acordos preferenciais deixarão de aplicar-se ao Reino Unido”, disse Dickinson em declarações hoje à BBC Radio 4. A conselheira-delegada do BRC realçou também que “o que é importante, desde agora até 2019, é prosseguir com trabalho que o Reino Unido tem entre mãos, isto é, centrar-se em assinar novos acordos preferenciais idênticos aos atualmente existentes”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Reino Unido: Brexit fará subir preços a retalho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião