Financiamento: Os bastidores de uma negociação quase secreta

  • Lusa
  • 3 Janeiro 2018

A ata da reunião da Comissão de Assuntos Constitucionais à qual foram levadas formalmente as alterações ao financiamento dos partidos refere apenas apenas "alterações minimalistas".

A ata da reunião da Comissão de Assuntos Constitucionais à qual foram levadas formalmente as alterações ao financiamento dos partidos, disponibilizada no site do parlamento, refere apenas “alterações minimalistas”.

De acordo com a ata, o tema foi levado pelo coordenador do grupo de trabalho, José Silvano, à comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, no dia 18 de outubro, que “descreveu de forma sucinta os trabalhos”.

O documento refere que o grupo de trabalho “procurou promover alterações minimalistas, tendo em vista o denominador comum existente”.

Assim, os “trabalhos efetuados” foram “remetidos às direções dos diferentes grupos parlamentares, para a devida apreciação”, refere a ata.

O diploma em causa, que altera quatro leis relacionadas com o financiamento e fiscalização das contas partidárias e eleitorais, foi vetado na terça-feira pelo Presidente da República.

Na mensagem enviada à Assembleia da República, que acompanha o seu veto, Marcelo Rebelo de Sousa refere que “o fim de qualquer limite global ao financiamento privado e, em simultâneo, a não redução do financiamento público, traduzida no regime de isenção do IVA” foram normas incluídas no diploma sem fundamentação e constituem “uma mudança significativa” no regime em vigor, “tudo numa linha de abertura a subida das receitas, e, portanto, das despesas dos partidos”.

“Independentemente da minha posição pessoal, diversa da consagrada, como Presidente da República não posso promulgar soluções legislativas, consabidamente essenciais, sem mínimo conhecimento da respetiva fundamentação”, lê-se no documento.

Para o Presidente da República, a “democracia também é feita da adoção de processos decisórios suscetíveis de serem controlados pelos cidadãos. A isso se chama publicidade e transparência”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Financiamento: Os bastidores de uma negociação quase secreta

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião