Aprovados diplomas que vão regular a recuperação de empresas

  • Ana Batalha Oliveira
  • 3 Janeiro 2018

Todos os esclarecimentos necessários serão prestados pelo IAPMEI em ações de sensibilização que decorrerão durante os meses de janeiro e fevereiro, de norte a sul do país.

O novo Regime Extrajudicial de Recuperação de Empresas está mais perto de auxiliar os negócios em situação difícil ou de insolvência. Os diplomas que lhe servem de base já foram aprovados — só falta a publicação em Diário da República, que estará concluída dentro de dias.

Já foram aprovados os diplomas que vão criar o novo Regime Extrajudicial de Recuperação de Empresas (RERE) e regular o estatuto do Mediador de Recuperação de Empresas, estando a sua publicação em Diário da República prevista para os próximos dias”, avança o IAPMEI em comunicado.

O novo RERE pretende que as empresas em “situação económica difícil ou de insolvência” possam encetar negociações com “todos ou alguns dos seus credores com vista a alcançar um acordo”.

Os diplomas visam também regular a figura de Mediador de Recuperação de Empresas, um profissional especializado em administração, gestão, auditoria e restruturação de créditos, que prestará o apoio técnico necessário às empresas durante os processos de recuperação. Este “será nomeado pelo IAPMEI a pedido do devedor“, avança a mesma fonte.

Todos os esclarecimentos necessários serão prestados pelo IAPMEI em ações de sensibilização que decorrerão durante os meses de janeiro e fevereiro, de norte a sul do país. As datas estarão disponíveis brevemente.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Aprovados diplomas que vão regular a recuperação de empresas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião