Anatel alinha com Pharol: há ilegalidades no plano de recuperação judicial da Oi

O presidente do regulador brasileiro das telecomunicações afirmou que existem ilegalidades no plano de recuperação judicial da Oi, já aprovado pelos credores. Prefere a venda da empresa já em 2018.

O presidente da Anatel, o regulador brasileiro das comunicações, afirmou que existem ilegalidades no plano de recuperação judicial da Oi aprovado pelos credores na semana passada. No entanto, Juarez Quadros vê com bons olhos a entrada de um investidor estrangeiro na empresa já no próximo ano, pelo que o plano não impede a reestruturação da maior operadora de telecomunicações do Brasil, de acordo com o Valor Econômico [acesso pago].

Juarez Quadros alinha assim com a opinião da Pharol PHR 0,60% , antiga holding da Portugal Telecom e o maior acionista da Oi, com cerca de 27% do capital. Em meados de dezembro, a empresa de Luís Palha da Silva afirmava que o plano incluía “medidas de duvidosa legalidade”.

Segundo o Valor Econômico, o presidente da Anatel defendeu a aplicação de uma medida provisória que desse “abrigo legal” às dívidas da operadora ao regulador. Em causa, uma dívida de 14,4 mil milhões de reais, cerca de 3,6 mil milhões de euros, valor que engloba, entre outros créditos, multas que já transitaram em julgado e outras ainda na esfera administrativa. Este montante é devido ao erário público brasileiro e é reconhecido pela empresa.

Quadros garantiu ainda que é viável a entrada de um investidor estrangeiro no capital da empresa. “O plano, sendo aceite pela Justiça, em primeira instância, já é uma demonstração de que se quer uma solução para a companhia. O próprio presidente da Oi, Eurico Teles, já disse que a empresa está pronta a ser vendida”, afirmou, citado pelo jornal brasileiro. “Com isso, a iminente intervenção praticamente se afasta”, frisou.

A Oi encontra-se ao abrigo de um plano de recuperação judicial para evitar a sua falência. O plano aprovado pelos credores, que ainda está sujeito à avaliação da Justiça brasileira, prevê uma conversão de dívida até 75% do capital da operadora brasileira. Isto implica que, quando plano estiver concluído, serão os credores a ficarem com o controlo da Oi, enquanto os atuais acionistas irão ver as suas participações reduzidas. O processo é reconhecido em Lisboa.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anatel alinha com Pharol: há ilegalidades no plano de recuperação judicial da Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião