Credores da Oi validam proposta que facilita venda de unidades de negócio

Reunidos em assembleia-geral, os credores da Oi aprovaram o aditamento ao plano de recuperação judicial que facilita a constituição e venda de unidades de negócio da empresa.

Os credores da Oi aprovaram o aditamento ao plano de recuperação judicial da empresa, que tinha sido proposto pela companhia em meados de junho e alterado em agosto.

Este acrescento visa facilitar a constituição e venda de unidades produtivas isoladas dentro da operadora, de forma a “aumentar a capacidade de investimentos do grupo” e “eventualmente antecipar o pagamento” das dívidas.

O resultado da votação em assembleia geral de credores foi dado a conhecer pela Oi em comunicado, no qual a empresa assegura que o referido aditamento “atende a todas as partes interessadas de forma equilibrada e garante a viabilidade operacional, maior flexibilidade e eficiência financeiras e a sustentabilidade” das empresas do grupo de telecomunicações brasileiro.

A versão consolidada será agora submetida à homologação do juízo da 7.ª Vara Empresarial da Comarca da Capital do Estado do Rio de Janeiro, onde têm tramitado as diversas fases do longo plano de recuperação judicial da companhia, que teve início em 2016.

Adicionalmente, a Oi tornou público esta terça-feira que concluiu as negociações com a Telefónica Brasil, Tim e Claro pela unidade que contempla o negócio móvel da companhia. Confirma-se, assim, que as três empresas estão na frente da corrida pela Oi Móvel, propondo pagar 16,5 mil milhões de reais (cerca de 2,64 mil milhões de euros) para ficarem com essa unidade.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Credores da Oi validam proposta que facilita venda de unidades de negócio

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião