Portugal paga pouco mais de 1% para emitir dívida a 25 anos

IGCP financiou-se em 1.211 milhões de euros, com títulos de dívida a 10 e 25 anos. Taxa no prazo mais longo foi de apenas 1,043%.

Portugal financiou-se quase no montante máximo pretendido, de 1.211 milhões de euros, no duplo leilão de dívida de longo prazo. Taxas caíram em ambas as maturidade, tendo o IGCP obtido um juro pouco acima de 1% no prazo mais longínquo, a 25 anos.

De acordo com dados da Reuters, a agência liderada por Cristina Casalinho colocou a maior parte do montante que pretendia no prazo a 10 anos, num total de 964 milhões de euros. No prazo a 25 anos, o IGCP financiou-se em 247 milhões.

Tanto num prazo como no outro, os juros caíram. A taxa no prazo a 10 anos foi de 0,329%, aquém dos 0,35% no mercado, sendo mesmo a segunda mais baixa de sempre obtida pelo país nesta maturidade. No prazo mais longo, caiu para 1,043%.

"O sucesso das emissões, bem como a estabilidade do risco da dívida soberana portuguesa, estão diretamente ligadas com os apoios que o Banco Central Europeu tem vindo a fazer para evitar uma severa recessão na Europa.”

Filipe Silva

Diretor de investimentos do Banco Carregosa

É preciso recuar ao verão de 2019 para encontrar uma operação com a linha de dívida de 2045, que continua a servir como referência a 30 anos, embora tenha agora uma maturidade de 25 anos.

Foi em julho de 2019 que Portugal emitiu dívida de mais longo prazo, tendo pago, à data, 1,42%, muito abaixo da taxa de 2,8% que tinha suportado no ano anterior no leilão da mesma linha.

“O sucesso das emissões, bem como a estabilidade do risco da dívida soberana portuguesa, estão diretamente ligadas com os apoios que o Banco Central Europeu tem vindo a fazer para evitar uma severa recessão na Europa, derivada do impacto que a Covid-19 está a ter nas diferentes economias”, diz Filipe Silva, diretor de investimentos do Banco Carregosa. “Será preciso esperar mais alguns meses para perceber se as medidas que cada governo está a adotar para estimular a economia, serão suficientes para preservar e conseguir criar emprego”, acrescenta.

“Não obstante e face à massiva injeção de liquidez nos mercados, tem sido possível a Portugal conseguir renovar as suas linhas de financiamento com taxas muito baixas, o que tem um efeito muito positivo na pressão que o custo do serviço da dívida tem nas contas públicas”, remata o especialista.

(Notícia atualizada às 11h01 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Portugal paga pouco mais de 1% para emitir dívida a 25 anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião