Pharol contra o plano de recuperação da Oi

O plano de recuperação da Oi apresenta "medidas de duvidosa legalidade", considera a Pharol, que é acionista da operadora brasileira.

A Pharol analisou o plano de recuperação da Oi e concluiu que o mesmo apresenta “medidas de duvidosa legalidade”, pelo que entende que a operadora brasileira, de que é acionista, deve procurar outra solução para a sua recuperação financeira. A informação foi comunicada, esta sexta-feira, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

A Oi apresentou uma nova versão do plano de reestruturação esta terça-feira, 18 meses depois de ter entrado num processo de recuperação judicial, devido à elevada dívida. Esta foi a quinta alteração ao plano e tudo apontava para que, finalmente, o plano fosse aprovado, já que, antes de ter sido apresentado, foi negociado com a maioria dos credores.

O plano propõe uma conversão de dívida até 75% do capital da operadora brasileira. Isto implica que, quando plano estiver concluído, serão os credores a ficarem com o controlo da Oi, enquanto os atuais acionistas irão ver as suas participações reduzidas. A Pharol detém, atualmente, 27% da Oi.

Além disto, está previsto um aumento de capital de quatro mil milhões de reais, um montante abaixo do que estava estabelecido na versão anterior do plano de recuperação. Este plano, prevê a Oi, permitiria reduzir a dívida para metade, dos atuais 64 mil milhões de euros (16 mil milhões de euros) para 32 mil milhões. Contudo, a proposta não convenceu a Pharol.

No comunicado enviado esta tarde à CMVM, a empresa portuguesa começa por referir que o “plano de recuperação foi apresentado em juízo sem prévia informação dos seus termos ao conselho de administração da Oi, o que apenas aconteceu em reunião realizada no dia 13 de dezembro de 2017” (o dia em que o plano se tornou público). “Na data de 14 de dezembro de 2017, pediu a adoção de uma medida judicial para impedir o regular funcionamento do seu próprio conselho de administração e o regular exercício de direitos legítimos dos seus acionistas”, acrescenta a Pharol.

Neste “cenário de arbitrariedades e desrespeito pela governança adotada pela própria Oi, a Pharol manifesta expressamente a sua insatisfação e discordância relativamente ao plano de recuperação“.

Em relação à conversão de dívida em ações, a Pharol aponta que esta proposta “não apresenta equidade nos sacrifícios exigidos aos diversos participantes no processo, sendo claro que a Pharol, acionista da Oi de há muitos anos e com capital relevante investido numa visão institucional e de longo prazo, se vê particularmente desfavorecida no plano apresentado”.

Por outro lado, considera a empresa portuguesa, os detentores de dívida da Oi “representam capital especulativo em busca de elevados retornos de curto prazo, através de estratégias agressivas sem qualquer preocupação com a preservação da sociedade”. E são estes os “claros beneficiários de um plano desequilibrado”. Assim, considera, o plano “privilegia de forma legalmente muito discutível e não equitativa tal grupo de credores em detrimento de milhares de investidores, de maior ou menor relevância no mercado de capitais mundial, que investiram na Oi”.

Há ainda outra proposta do plano que preocupa a Pharol. “O CEO, não eleito por conselho de administração ou assembleia de acionistas, poderá designar e afastar membros do conselho de administração, da diretoria executiva sem qualquer participação dos órgãos eleitos pelos acionistas da empresa e alterar a composição do conselho de administração”, algo que constitui uma violação “a princípios basilares que jamais poderiam ser admitidos por acionistas ou investidores dos mercados de capitais”.

Perante isto, a Pharol condena as “medidas de duvidosa legalidade existentes no plano de recuperação da Oi” e apela à operadora brasileira que continue “a buscar uma solução negociada pelo diálogo com o objetivo de conciliar interesses e não ferir direitos”. Garante, ainda, que “não deixará de utilizar todos os meios legais no Brasil e no exterior para defender os seus direitos enquanto acionista da Oi que possam ser postos em causa”.

Notícia atualizada às 19h25 com mais informação.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pharol contra o plano de recuperação da Oi

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião